Audiência de conciliação com trabalhadores do transporte coletivo do Rio de Janeiro termina sem acordo nesta terça (30)

Mediação foi feita pelo TRT. Foto: Diário do Transporte.

Liminar que impede paralisação dos ônibus foi mantida e greve não poderá ser realizada

WILLIAN MOREIRA

Uma audiência de conciliação realizada nesta terça-feira, 30 de novembro de 2021, com representantes do Sindicato dos Rodoviários, do Rio Ônibus e da Prefeitura, terminou sem um acordo para a solução do impasse.

Com a mediação do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), era esperado pelos trabalhadores uma proposta patronal, o que não aconteceu.

O sindicato da categoria pediu para que fosse autorizado o direito a iniciar a greve, pois seguiram todos os passos para tornar a paralisação legal, mas a Justiça manteve os efeitos da liminar obtida no domingo, 28, em que a interrupção dos trabalhos no transporte foi impedida.

Para esta quarta, 1º de dezembro, uma nova audiência será realizada, desta vez no MPT (Ministério Público do Trabalho), onde são esperadas pelos rodoviários propostas que atendam às reivindicações.

A categoria alega em uma carta aberta à população que, desde março, os salários foram reduzidos e até suspensos devido à pandemia de covid-19. Além disso, o documento cita férias adiadas, compensação de feriados e horas extras.

O Rio Ônibus, que representa as empresas, diz em nota que pede a compreensão dos trabalhadores para a não realização da greve e que mantém diálogos para tentar resolver os problemas econômicos do setor.

Os consórcios pedem a compreensão dos rodoviários para que não façam greve. As empresas informam ainda que mantêm diálogos constantes com Prefeitura e Judiciário na busca por soluções para o setor.

Em função da situação econômica do sistema, qualquer movimento de paralisação pode ameaçar diretamente a continuação dos serviços de diferentes empresas no Rio de Janeiro.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta