Sistema promete integrar tecnologias e informações para empresários de transporte e dar mais transparência a poder público e população

Chamado UniQ Hub, programa pode fazer relatórios e balanços de todos os dados gerados pelas tecnologias embarcadas nos ônibus e terminais para gestão

ADAMO BAZANI

Atualmente, há uma série de exigências tecnológicas em contratos que os empresários de ônibus devem cumprir: telemetria, GPS, bilhetagem eletrônica, câmeras nos veículos e terminais e tantas outras.

Essa “parafernália” gera uma série de dados que nem sempre são aproveitados completamente e, muitas vezes, todas estas tecnologias adotadas não se “conversam”.

Por exemplo: um dado de GPS do ônibus, como um gargalo de trânsito do itinerário, se cruzado com a bilhetagem (que identifica locais de maior embarque e desembarque), e combinado com a geração de imagens das câmeras dos coletivos, pode ajudar a definir melhor uma alteração do trajeto e escapar deste gargalo sem prejudicar o atendimento ao passageiro e, ao mesmo tempo, influenciar positivamente nos índices de qualidade exigidos nos contratos e reduzir os custos com combustível pelo fato de o ônibus ter de perder tempo todo o dia naquele gargalo e se atrasar.

Uma empresa chamada UniQ diz que desenvolveu um sistema tecnológico que consegue unificar todas as informações e serviços das tecnologias adotadas nos transportes, com relatórios, balanços e análises que podem melhorar a gestão dos dados gerados.

O sistema foi desenvolvido em parceria com a empresa de tecnologia na área de transportes, CittaMobi.

O CEO da UniQ, Fernando Cesar, disse ao Diário do Transporte, que ser mais que ferramenta de gestão, o programa consegue dar mais transparência na relação entre o poder concedente e a empresa e também entre o sistema de transportes e a sociedade, que cobra acesso mais facilitado e confiável dos dados da mobilidade de sua cidade ou região metropolitana.

“A tecnologia e os dados integrados podem ajudar muito em transparência. É possível acompanhar e gerar todos parâmetros de qualidade e prestação de serviços e isso hoje é fundamental para o que empresários, poder concedente e sociedade esperam de um serviço de mobilidade” – explicou.

Podem ser integrados equipamentos, serviços e tecnologias de diferentes fornecedores.

CONSULTORIA E CUSTOMIZAÇÃO

O analista de implantação da UniQ, Willian Mariano, explicou que toda a aparência do laytout da apresentação de dados pode ser desenvolvida de acordo com as prioridades e necessidades de cada garagem, inclusive de forma diferente entre uma garagem e outra, inclusive, as que fazem parte do mesmo grupo empresarial.

“O layout pode ser desenvolvido de forma individual, sendo tudo customizado. O primeiro passo é entender as necessidades e dificuldades na gestão dos dados tecnológicos de cada empresa e daquele sistema de transportes específico. Além disso, oferecemos consultoria que indicam quais os melhores tipos de tecnologias a comprar e também ajudamos no processo de troca dos fornecedores dos equipamentos e serviços” – disse.

MARCO REGULATÓRIO

A empresária de ônibus e sócia, Niege Chaves, entende que a gestão de dados e melhor aproveitamento das informações são essenciais para esta nova fase dos transportes que está se iniciando.

“Estamos prestes a ter um marco regulatório na mobilidade. Os contratos de transportes públicos cada vez mais têm indicadores de qualidade que interferem na remuneração do operador e a sociedade cobra mais transparência. Ter os dados é uma coisa, já unifica-los e fazer gestão é onde está a resposta para esta nova realidade da mobilidade” – disse

Entre outros sistemas de transportes que Niege Chaves opera, está o do BRT (Bus Rapid Transit) de Sorocaba, no interior paulista, corredores de ônibus rápidos.

O Hub UniQ está instalado no sistema e hoje unifica os serviços e dados de CCO, 462 computadores de bordo (em ônibus, terminais e estações), 1902 câmeras (em ônibus, terminais e estações), 482 totens e monitores (em ônibus, terminais e estações) e 330 antenas de w—fi e comunicação em geral.

Entre as tecnologias que UniQ promete integrar estão:

– dispositivos de controle eletrônico;

– câmeras de monitoramento;

– painéis eletrônicos;

– catracas;

– wi-fi;

– dispositivos de gestão de energia em terminais, estações e outras estruturas;

– gestão de chamadas de atendentes ao passageiro;

– gestão de telemetria (desempenho do motorista e de cada ônibus).

A plataforma é 100% pela internet e não requer uma estrutura específica nas garagens, apenas computadores e, se for de preferência, monitores de parede.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta