Sindicato dos Rodoviários decide suspender greve de ônibus em Belo Horizonte (MG) mediante apresentação de proposta de viações até sexta (26)

Kalil esteve presente em audiência virtual

Prefeito Alexandre Kalil chegou a sugerir que empresas de ônibus estariam fazendo “chantagem”

ADAMO BAZANI

O STTRBH (Sindicato dos Rodoviários de Belo Horizonte e Região) decidiu na tarde desta terça-feira, 23 de novembro de 2021, suspender a greve de ônibus na capital mineira mediante a apresentação de uma contraproposta concreta por parte das empresas de transportes municipais até sexta-feira (26). A normalização total das linhas deve ocorrer nesta quarta-feira (24), mas o acordo foi de as empresas voltarem gradativamente já nesta terça-feira.

A decisão foi tomada em mais uma audiência de tentativa de conciliação no TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

Inicialmente, os trabalhadores, que dizem estar desde agosto pedindo um posicionamento, queriam que esta proposta fosse apresentada nesta quarta-feira (24).

As empresas de ônibus pediram que a data-base fosse transferida para dia 10 de dezembro de 2021, que seria a data limite para esta proposta.

O sindicato dos trabalhadores recusou.

As viações então propuseram data-limite de 06 de dezembro para a proposta, o que também foi recusado.

Os trabalhadores então propuseram que a proposta fosse apresentada até sexta-feira (26), mas as empresas de ônibus pediram mais tempo.

O sindicato dos trabalhadores não aceitou esse prazo maior e as empresas concordaram a apresentação até sexta-feira mesmo.

Pela primeira vez, em 18 anos, um prefeito participou de uma audiência trabalhista

Durante um momento do encontro, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, chegou a sugerir que as empresas de ônibus estariam fazendo chantagem contra o poder público.

A categoria reivindica reajuste salarial de 9%, tíquete-alimentação de R$ 800, tíquete no atestado, que não haja mais banco de horas e que seja feito o pagamento do abono salarial de 2019 e 2020. Os trabalhadores dizem que estão sem reajuste há dois anos. Fim da limitação do passe livre; permanência do passe livre para funcionário afastado e melhoria no plano de saúde são outros pedidos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta