Greve de ônibus em Belo Horizonte afeta deslocamentos nesta segunda (22)

Estações estão lotadas e alguns coletivos tiveram pneus esvaziados e vidros quebrados

ADAMO BAZANI

Conforme anunciou o sindicato dos rodoviários, teve início nesta segunda-feira, 22 de novembro de 2021, a greve de ônibus em Belo Horizonte.

Estações de transferência e pontos estão lotados de passageiros.

Fotos recebidas pelo Diário do Transporte mostram que alguns ônibus foram vandalizados, com pneus esvaziados e vidros quebrados.

Estações como Diamante e Barreiro ficaram fechadas logo no início da manhã. Já as estações Pampulha, Vilarinho e Venda Nova operavam parcialmente.

A decisão de paralisar as operações do transporte coletivo foi tomada pelo STTRBH (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte) após assembleias com os profissionais.

A categoria reivindica reajuste salarial de 9%, tíquete-alimentação de R$ 800, tíquete no atestado, que não haja mais banco de horas e que seja feito o pagamento do abono salarial de 2019 e 2020. Os trabalhadores dizem que estão sem reajuste há dois anos.

Com a decisão da greve, a Justiça do Trabalho determinou que ao menos 60% da frota fique em operação durante a paralisação.

O sindicato informou que a decisão será cumprida.

Segundo a decisão do desembargador Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto, 1º Vice-Presidente do TRT da 3ª Região, haverá multa de R$ 50 mil em caso de descumprimento da frota mínima.

A decisão judicial foi tomada após um recurso do SetraBH (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte).

Na prática, de acordo com relatos dos passageiros nas mídias sociais, pelo menos no início das operações, algumas empresas estão com parte da frota nas ruas e, em outras companhias, a paralisação foi total.

Por volta de 14h30 deve ocorrer uma reunião entre empresas de ônibus, sindicato dos trabalhadores e o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para tentar definir um acordo e o fim da greve.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta