Teresina: rodoviários querem discutir situação da categoria diante de acordo entre empresas e prefeitura que garantiu aumento de 40% da frota em operação

Foto: Divulgação/Sintetro

Medida entraria em vigor nesta segunda-feira, 11 de outubro de 2021; motoristas e cobradores protestam diante do MP do Piauí

ALEXANDRE PELEGI

Teresina terá 40% mais ônibus a partir desta segunda-feira, 11 de outubro de 2021.

Quem garante é a Superintendência Municipal de Transporte (Strans), que informou que o aumento da frota decorre de acordo assinado entre prefeitura e empresas de ônibus realizado na sexta-feira, 08 de outubro de 2021. O acordo foi já homologado pela Justiça.

Os rodoviários da capital piauiense, no entanto, estão descontentes com o acordo.

Na manhã desta segunda eles se concentraram em frente ao Ministério Público do Trabalho.

O motivo do protesto foi a ausência de diálogo entre motoristas e cobradores e o Setut, sindicato das empresas de ônibus da capital.  Os trabalhadores exigem discutir os termos do retorno do transporte coletivo e alegam que ainda não foram procurados pelas empresas para conversar a respeito de como será feita essa ampliação da frota.

Com esse incremento, de cerca de 140 ônibus que circulavam em Teresina, a partir de hoje serão pelo menos 200 veículos.

Os trabalhadores afirmam que antes do acordo, deveria ser assinada a convenção coletiva da classe, com o objetivo de colocar em dia os pagamentos em diárias e acertar a questão da manutenção do piso.

Segundo o Portal O Dia (PI), o Sintetro havia informado que não seria possível ampliar a frota sem um acordo entre o Setut e os trabalhadores que envolvesse a assinatura da convenção coletiva da categoria.

O Ministério Público do Trabalho encaminhou nota ao Portal O Dia afirmando não ter sido chamado para participar do acordo entre a Prefeitura de Teresina e o Setut, “mas que acompanha os impasses em torno das questões trabalhistas envolvendo a classe patronal e os trabalhadores”.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta