Governo do Paraná contrata estudo para reorganizar ônibus metropolitanos e licitar o sistema

Trabalhos terão três frentes: atualização do cálculo tarifário, realização de uma pesquisa de origem e destino e modelagem econômico-financeira; Efeitos da pandemia serão considerados

ADAMO BAZANI

Começa a ser realizado nesta terça-feira, 14 de setembro de 2021, um estudo contratado pelo Governo do Paraná para reorganizar os transportes metropolitanos e licitar o sistema em 2022.

As linhas são gerenciadas pela Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba), do governo estadual, e operadas pelas empresas de ônibus da região.

Segundo nota do Governo do Estado desta segunda-feira, 13 de setembro de 2021, os trabalhos serão feitos pela Fundação de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas (FEPESE) em parceria com a equipe técnica do Laboratório de Transporte e Logística da Universidade Federal de Santa Catarina – LabTrans/UFSC.

O estudo deve ter três frentes: atualização do cálculo tarifário, realização de uma pesquisa de origem e destino e modelagem econômico-financeira.

A previsão de entrega é fevereiro de 2022.

Segundo a gestão do governador Carlo Massa Ratinho Júnior, o estudo ajudará a determinar a tarifa, a modelagem e os detalhes do edital de concessão das linhas metropolitanas da Comec.

Antes mesmo do fim do estudo, a administração estadual quer implantar algumas mudanças com os resultados parciais obtidos, como ajustes na frota e nas linhas.

PESQUISA ORIGEM-DESTINO:

A pesquisa origem-destino deve ter duração de dois meses e será realizada em todos os 19 municípios da Rede Integrada de Transporte – RIT, nos horários de maior movimento do sistema, que são das 06h00 às 09h00 e das 16h30 às 19h30. Serão cerca 30 pesquisadores, devidamente identificados.

O levantamento quer saber se houve alguma mudança no comportamento dos passageiros nos deslocamentos diários, se surgiram novos pontos de interesse de viagens e se serão necessárias novas conexões.

“Com estas informações, além do ajuste da nossa operação, podemos planejar novas linhas e conexões. Todo trabalho com informações precisas e bem planejado tem resultado mais eficiente”, disse por meio de nota o presidente da Comec, Gilson Santos,

EFFEITOS DA PANDEMIA:

Outro objetivo dos trabalhos é mensurar de fato os efeitos da pandemia de covid-19 no sistema de transportes metropolitanos da Grande Curitiba, se haverá recuperação plena ou não da demanda que era registrada antes da doença e se a demanda que permaneceu ou que voltar terá um novo perfil de viagem.

Segundo a Comec, logo no início da pandemia em março de 2020, com a implementação das medidas mais restritivas de circulação, o número de usuários no sistema metropolitano chegou a cair para 20%. Aos poucos, com o retorno das atividades, este número foi aumentando, mas a média de usuários do sistema permanece na casa dos 60%.

Ainda de acordo com a gerenciadora, em 18 meses de pandemia, foram realizados mais de 600 ajustes no sistema metropolitano, contemplando novos atendimentos, itinerários e ajustes de horários.

Especialistas em mobilidade apontam que dificilmente em curto ou médio prazo, a demanda de passageiros do transporte público vai ser a mesma que de antes da pandemia, que já estava em queda por outros fatores, como falta de subsídios resultando em tarifas altas para o usuário, mas que, ao mesmo tempo, não conseguem bancar os serviços.

“A ideia é ter um embasamento completo para efetivar as mudanças no ano que vem. O sistema sofreu um grande impacto, não temos mais o volume anterior. Com esse estudo teremos números reais para fazer as alterações. Queremos melhorar o tempo para o usuário e atrair mais pessoas para o sistema”, complementou Gilson Santos.

As atuais empresas operadoras do sistema metropolitano, de acordo com os prefixos que são identificadas, seguem essa ordem:

15 • Leblon Transporte De Passageiros Ltda

16 • Viação Tamandaré Ltda.

17 • Expresso Azul Ltda.

18 • Auto Viação Santo Ângelo S.A.

19 • Araucária Transporte Coletivo Ltda.

20 • Auto Viação São José Dos Pinhais Ltda.

21 • Empresa De Ônibus São Braz S.A.

22 • Empresa De Ônibus Campo Largo Ltda.

23 • Viação Colombo Ltda.

24 • Auto Viação Antonina Ltda.

25 • Viação Castelo Branco Ltda.

26 • Viação Do Sul Ltda.

27 • Viação Graciosa Ltda.

28 • Viação Marumbi Ltda.

29 • Viação Piraquara Ltda.

30 • Reunidas S.A.Transportes Coletivos

31 • Viação Nobel Ltda

32 • Expresso São Bento Ltda.

98 • Empresa Cerro Curitiba Ltda.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. João Pedro Rocha de Oliveira disse:

    A Viação Nobel (31), opera apenas no sistema municipal de Fazenda Rio Grande (PR)

    1. diariodotransporte disse:

      Mas é gerenciada pela Comec e as linhas entrarão na licitação porque mesmo sendo dento de Fazenda Rio Grande, elas fazem parte da rede integrada, sendo alimentadoras da Leblon que, se não sabe, é do mesmo grupo

Deixe uma resposta