BRT-Rio gasta R$ 50 mil por mês só com reposição de vidros

De acordo com o BRT, desde março, 235 vidros foram destruídos por vândalos; Nesta tarde, ônibus foi atacado dentro do Terminal Alvorada

ADAMO BAZANI

O BRT-Rio gasta por mês uma média de R$ 50 mil somente com a reposição de vidros de ônibus quebrados e trincados por atos de vandalismo. Não são gastos por causa de acidentes, mas apenas por causa de ações contra os coletivos.

Os dados foram divulgados na tarde desta quinta-feira, 09 de setembro de 2021, pelo próprio BRT.

Ainda nesta tarde, mais uma ação criminosa tirou um ônibus articulado de circulação.

Segundo o BRT-Rio, o veículo foi vandalizado agora quando estava estacionado dentro do Terminal Alvorada, na Barra da Tijuca, antes de entrar em operação no horário de pico.

“O criminoso jogou uma pedra no veículo e atingiu o vidro em cima da janela do motorista” – diz nota do BRT-Rio.

Ainda acordo com o BRT, desde março, 235 vidros foram destruídos por vândalos.

“Vandalismo é crime e afeta diretamente o trabalhador que precisa usar o BRT em seu deslocamento” – complementa a nota.

CRIMES

Muito mais que puro vandalismo, ataques a veículos de transportes coletivos, colocar em risco a integridade física de passageiros, fiscais, motoristas e cobradores, além de impedir circulação de serviço essencial, são classificados como crimes pelo Código Penal Brasil.

A lei é clara em classificar como criminoso quem comete crime.

Veja os artigos:

artigo 163 do Código Penal deixa claro que destruir inutilizar ou deteriorar o bem ou serviços de uma união, tanto estado, quanto município é considerado crime contra o patrimônio público. São enquadrados também bens privados a serviço público, que é o caso de ônibus de concessionárias e permissionárias de transporte público.

artigo 262 considera crime expor a perigo meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento. A pena é de detenção, de um a dois anos.

artigo 132, por sua vez, classifica como crime expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente.

No caso de incêndio a ônibus, outro artigo pode ser invocado.

artigo 250 descreve o delito de incêndio, que consiste na atitude de gerar um incêndio que coloque em risco a vida ou os bens de outra pessoa e cita o transporte como fatores de agravamento da pena: c) em embarcação, aeronave, comboio ou veículo de transporte coletivo; d) em estação ferroviária ou aeródromo;

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Deixe uma resposta