Contrato da Fiol 1 é assinado na Bahia

Ferrovia de Integração Oeste-Leste. Foto: Divulgação / Governo Federal.

ANTT, Valec e Bamin assinaram subconcessão de estrada de ferro que vai ligar Ilhéus a Caetité 

JESSICA MARQUES

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), a Valec e a empresa Bahia Mineração S.A (Bamin) assinaram o contrato de subconcessão da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol 1), nesta sexta-feira, 03 de setembro de 2021, em Sussurana, distrito de Tanhaçu (BA).

O evento contou com a participação do presidente da República, Jair Bolsonaro; do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas; do diretor-geral da ANTT, Rafael Vitale; do presidente da Valec, André Kuhn; do presidente da Bamin, Eduardo Ledsham; entre outras autoridades.

“A Fiol, tão aguardada, agora virou realidade e vai transformar a economia da Bahia. Serão bilhões de investimentos, executados majoritariamente nos primeiros cinco anos da subconcessão, promovendo maior eficiência logística e dinamismo na economia. Com isso, a Fiol também beneficiará a vida dos baianos, com a geração de mais de 80 mil empregos, diretos e indiretos. E melhor do que um leilão bem-sucedido é um contrato bem executado”, afirmou Rafael Vitale, na ocasião.

LEILÃO

A Bamin foi vencedora do leilão da Fiol, realizado em 08 de abril de 2021, e ficará responsável pela finalização do empreendimento e operação do trecho de 537 quilômetros em uma subconcessão que vai durar por 35 anos, totalizando R$ 5,41 bilhões de investimentos (Capex) e R$ 13,37 bilhões de custos operacionais (Opex). O segmento vai abranger o trecho ferroviário entre os municípios de Ilhéus/BA e Caetité/BA.

Confira os detalhes da operação, divulgados pela ANTT:

O corredor logístico visa permitir o escoamento para o mercado externo do minério de ferro do sul da Bahia, por meio do futuro Porto de Ilhéus, além de possibilitar o transporte ferroviário de grãos do oeste baiano ao porto, em direito de passagem.

O traçado da Fiol 1 atravessará as seguintes cidades baianas: Ilhéus, Uruçuca, Aureliano Leal, Ubaitaba, Gongogi, Itagibá, Itagi, Jequié, Manoel Vitorino, Mirante, Tanhaçu, Aracatu, Brumado, Livramento de Nossa Senhora, Lagoa Real, Rio do Antônio, Ibiassucê e Caetité.

A expectativa é de que a Fiol 1 comece a operar em 2026, já transportando 18,4 milhões de toneladas de carga, entre grãos e, principalmente, o minério de ferro produzido na região de Caetité. Volume que vai mais que dobrar em 10 anos, atingindo 45,6 milhões de toneladas em 2036 – sendo a maior parte o minério de ferro. Entre as cargas também estão alimentos processados, cimento, combustíveis, soja em grão, farelo de soja, manufaturados, petroquímicos e outros minerais.

A operação inicial já deve contar com pelo menos 16 locomotivas e mais de 1.400 vagões – pelo menos, 1.100 destinados apenas para o escoamento de minério de ferro. Montante que terá um incremento diante do aumento da demanda, chegando a 34 locomotivas e 2.600 vagões, dentro de dez anos. Além de Ilhéus e Caetité, um terceiro pátio será instalado no município de Brumado.

A subconcessão da Fiol 1 vai permitir a criação de 82.830 empregos diretos, indiretos e efeito-renda ao longo da concessão.

Para conferir detalhes do projeto, clique aqui.

NOVOS TRECHOS

A ANTT e o Governo Federal informaram, em nota, que trabalham nos projetos para concessão dos outros dois trechos: a Fiol 2, entre Caetité (BA) e Barreiras (BA), com obras em andamento, e a Fiol 3, de Barreiras (BA) a Figueirópolis (TO).

Um corredor de escoamento que terá um total de 1.527 km de trilhos, ligando o porto de Ilhéus, no litoral baiano, ao município de Figueirópolis (TO), ponto em que a Fiol se conectará com a Ferrovia Norte-Sul e o restante do país.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Deixe uma resposta