Eletromobilidade

São José dos Campos (SP) assina contrato com a Itapemirim para lote 01 do transporte urbano por R$ 1,09 bilhão

Itapemirim é tradicional em ônibus rodoviários

Até ontem, empresa comandada por Sidnei Piva, estava apenas como habilitada; De acordo com prefeitura, uma possível decretação de inidoneidade da Itapemirim em Nova Friburgo (RJ) não vai interferir no contrato da cidade do interior paulista

ADAMO BAZANI

A prefeitura de São José dos Campos, no interior de São Paulo, informou nesta quarta-feira, 1º de setembro de 2021, que assinou o contrato de operação de serviços do lote 01 do transporte urbano com a Itapemirim Group (Viação Itapemirim).

Até então, empresa comandada por Sidnei Piva, estava apenas como habilitada.

O contrato é por dez anos, no valor de R$ 1,09 bilhão

Os investimentos por parte da empresa serão de 207,3 milhões.

De acordo com a prefeitura, uma possível decretação de inidoneidade da Itapemirim em Nova Friburgo (RJ) não vai interferir no contrato da cidade do interior paulista.

O entendimento é de que a Itapemirim ainda tem todo o processo pela frente, com o direito ao contraditório. Ao final do processo, se realmente a Itapemirim for declarada inidônea, fica impedida de participar de novas licitações, mas não afeta os contratos em andamento conforme previsto na legislação, de acordo com o poder público municipal. – Veja o imbróglio de Nova Friburgo mais abaixo

A empresa assumi 150 dias após a assinatura da ordem se serviço, o que deve ocorrer somente depois da definição da operação do lote 2, cuja abertura dos envelopes foi marcada para o próximo dia 08 de setembro.

Segundo a prefeitura, em nota, entre os requisitos para a assinatura do contrato, estavam a criação de uma empresa específica para operar em São José dos Campos – Itapemirim Transporte Urbano – e a apresentação de uma garantia, o que foi feita através da apólice de seguro garantia, definida em R$ 6,2 milhões (R$ 6.219.510,63 milhões).

De acordo ainda com o poder público, as próximas etapas são a aquisição dos veículos e o estabelecimento de garagem na cidade.

“O certame do lote 1 da concessão de operação do transporte público passou por todas as etapas previstas em lei e todo o processo de licitação foi feito de forma pública e transparente” – diz o comunicado.

A Itapemirim apresentou propostas para os lotes 1 e 2 e foi a única a participar da licitação da operação.

Como o mesmo grupo não pode operar os dois lotes, a Itapemirim abriu mão do lote 2, para o qual a prefeitura marcou uma nota data para eventuais interessadas: 08 de setembro de 2021.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/08/07/sao-jose-dos-campos-marca-para-9-de-setembro-licitacao-do-lote-2-do-sistema-de-transporte-coletivo/

O lote 1 abrange as regiões norte, oeste e sul; e abrigará o trecho sul do projeto Linha Verde (corredor de ônibus elétricos).

No caso da Linha Verde, os ônibus elétricos da 22 metros feitos pela BYD e Marcopolo, a concessionária do Lote 1 vai assumir os custos de operação, incluindo manutenção do material rodante e energia, quando o trecho Sul da Linha Verde estiver pronto para operação.

Porém, a infraestrutura e a compra destes ônibus, chamados pelo poder público de VLP (Veículos Leves sobre Pneus), são investimentos da prefeitura. O valor do contrato do lote 01 é de R$ 1,09 milhão.

NOVA FRIBURGO (RJ)

Enquanto a Itapemirim assina contrato em São José dos Campos, em outra cidade que a empresa se propôs a operar os ônibus urbanos, ocorre um imbróglio entre empresa e prefeitura: nova Friburgo, no Rio de Janeiro.

Segundo a prefeitura, mesmo assinando contrato de operação emergencial por 12 meses em 25 de junho de 2021, a Itapemirim desistiu de cumprir a contratação.

Uma suposta frota que foi apresentada pela empresa à prefeitura, na verdade, era uma relação de modelos de ônibus à venda que não foram adquiridos pela Itapemirim.

A situação levou a prefeitura de Nova Friburgo, a atual empresa operadora Nova Faol e o Ministério Público a fecharem um acordo judicial nesta terça-feira, 31 de agosto de 2021.

Pelo acordo, a Nova Faol vai continuar por mais 12 meses operando em caráter emergencial em Nova Friburgo (RJ).

A tarifa pública será de R$ 4,20 e a operação contará com subsídios mensais de R$ 400 mil neste período.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/08/31/nova-friburgo-faol-continua-por-mais-12-meses-com-tarifa-de-r-420-e-r-400-mil-de-subsidios-por-mes/

LICITAÇÕES SEPARADAS:

Como tem mostrado o Diário do Transporte, para o novo sistema estão sendo realizadas licitações diferentes, uma para operação dos ônibus, outra para tecnologia e ainda uma outra para a gestão financeira.

Segundo a prefeitura, o “o objetivo com essa divisão é ter empresas especializadas em cada uma das áreas e elevar a qualidade e modernização do serviço”

– Operação dos Ônibus:

A cidade foi dividida em dois lotes.

Para a operação do lote 01 foi homologada a Itapemirim Group (Viação Itapemirim), como mostrou o Diário do Transporte.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/08/07/itapemirim-e-homologada-na-licitacao-do-transporte-de-sao-jose-dos-campos-sp-para-o-lote-01/

A Itapemirim apresentou propostas para os lotes 1 e 2 e foi a única a participar da licitação da operação.

Como o mesmo grupo não pode operar os dois lotes, a Itapemirim abriu mão do lote 2, para o qual a prefeitura marcou uma nota data para eventuais interessadas: 08 de setembro de 2021.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/08/07/sao-jose-dos-campos-marca-para-9-de-setembro-licitacao-do-lote-2-do-sistema-de-transporte-coletivo/

LOTE 01

O lote 1 abrange as regiões norte, oeste e sul; e abrigará o trecho sul do projeto Linha Verde (corredor de ônibus elétricos).

No caso da Linha Verde, os ônibus elétricos da 22 metros feitos pela BYD e Marcopolo, a concessionária do Lote 1 vai assumir os custos de operação, incluindo manutenção do material rodante e energia, quando o trecho Sul da Linha Verde estiver pronto para operação.

Porém, a infraestrutura e a compra destes ônibus, chamados pelo poder público de VLP (Veículos Leves sobre Pneus), são investimentos da prefeitura.

Valor do contrato do lote 01: R$ 1,09 milhão.

A prefeitura divulgou em 1º de setembro de 2021 a assinatura definitiva do contrato.

LOTE 02:

O lote 2 abrange as regiões leste e sudeste.

Valor do contrato do lote 2: R$ 861.061.437,00 (oitocentos e sessenta e um milhões, sessenta e um mil, quatrocentos e trinta e sete reais e zero centavos).

A Tarifa Técnica de Remuneração para o Lote 2 a ser proposta pela Concorrente deve ser inferior à Tarifa Técnica de Referência de R$ 4,94

– Tecnologia:

Em 25 de agosto de 2021, três empresas, sendo duas multinacionais e uma startup, apresentaram propostas para o gerenciamento de dados e planejamento operacional do novo modelo de transporte público de São José dos Campos, no interior paulista, previsto para entrar em operação em 2022: Scipopulis, Etra e Clever.

– Gestão Financeira:

No dia 09 de agosto de 2021, deu deserta a Sessão de Habilitação para escolha de empresa para os serviços de gestão financeira, controle de bilhetagem, fornecimento de Data Warehouse e Datalake, bem como fornecimento de hardware e software integrado para pagamento e fornecimento de WI-FI embarcado.  Foi a quarta tentativa de licitar estes serviços.

Uma nova data deve ser marcada.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/08/13/sao-jose-dos-campos-sp-tem-licitacao-deserta-em-escolha-de-empresa-para-a-gestao-financeira-do-novo-sistema-de-transporte-coletivo/

TRANSPORTE SOB DEMANDA E MENOR TARIFA:

Por meio de nota ao Diário do Transporte, a Secretaria de Mobilidade Urbana diz que entre os objetivos com o novo sistema estão criar serviço público de transporte sob demanda, conseguir tarifa mais baixa e ampliar o conforto de ônibus e infraestrutura.

– Maior conforto

Com veículos novos, mais modernos e menos poluentes, parte da nova frota oferecerá wifi gratuito, tomadas USB para carregamento de celulares, além de veículos com ar condicionado para atender os bairros mais distantes.

– Menor tarifa

Diferentemente do contrato atual, vencido pela empresa que apresentou a maior outorga ao município, a futura concessão terá como vencedora a empresa/consórcio que apresentar a menor tarifa técnica.

Além disso, ações como a separação dos serviços de operação e tecnologia e investimentos vindos de outras fontes de recursos –como a aplicação de R$ 9,2 milhões arrecadados com a concessão da zona azul– ajudam a amenizar o valor da tarifa cobrada do cidadão, permitindo a entrega de um serviço com mais frequência de ônibus e maior conforto para os passageiros com um valor mais baixo de tarifa.

– Demanda

Esse novo conceito de operação do sistema traz ainda a implementação de linhas responsivas à demanda, com a flexibilização parcial dos itinerários e das partidas. Esse modelo de transporte sob demanda é novo no país e surge para competir com o transporte individual.

Na prática, os usuários poderão por meio de aplicativo, assim como acontece atualmente com as empresas de transporte individual, solicitar uma viagem que terá tarifa fixa integrada ou variável.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    E-S-T-A-T-I-Z-A TUDOOOOOOO DE VEZ E PRA SEMPREEEEEEEEEEE,PÔH@!Até quando o povo vai sofrer e até morrer nas mãos podres do Sistema,K-H@YUH?

  2. LUIZ Carlos Guska de Almeida disse:

    Se e pra melhorar o sistema,seja bem vindo.itapemirim

  3. Fabio disse:

    E pagar quen deve msm nada mais fazer oque aqui e o Brasil onde quen tem grana esta acima da lei

  4. Nelson disse:

    A Itapemirim não pagou um centavo das rescisões dos funcionários que foram demitidos na pandemia são quase mil ex funcionários que entraram na justiça e seu Sidney fala nas entrevistas que não deve nada a ninguém vamos pagar o que nos devem seus pilantras

  5. Mari disse:

    Prefeitura deve estar levando alguma vantagem nessa negociação,

Deixe uma resposta para Fabio Cancelar resposta