PF faz operação em cinco estados contra tráfico de drogas e armas em ônibus

Investigações começaram em maio de 2020, quando foi apreendido, na cidade de Ponta Grossa, um ônibus carregado com 1,7 tonelada de maconha e dois fuzis calibre .556

ADAMO BAZANI

A PF Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 12 de agosto de 2021, a Operação Expresso 80, contra uma organização criminosa dedicada ao tráfico internacional de armas e drogas com atuação em diversos estados do Brasil, que, inclusive, utiliza ônibus, boa parte clandestinos, para movimentar os produtos.

Segundo a Polícia Federal, as investigações começaram em maio de 2020, quando foi apreendido, na cidade de Ponta Grossa, um ônibus carregado com 1,7 tonelada de maconha e dois fuzis calibre .556

Quase 200 policiais federais cumprem 92 ordens judiciais, em cidades do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais.

Ao todo, foram expedidos 23 mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária, 32 mandados de busca e apreensão, 29 de sequestro de bens e bloqueio de valores, além de sete mandados de suspensão de atividade comercial e lacração de estabelecimento pela 1ª Vara da Justiça Federal de Ponta Grossa/PR.

A Operação conta ainda com o apoio do DENARC – Policia Civil de Cascavel

Após a apreensão do ônibus em Ponta Grossa, a Polícia Federal realizou as investigações por mais de 15 meses, período em que foram apreendidas novas cargas de drogas, diversas armas de fogo oriundas do Paraguai, além de veículos e outros bens.

De acordo com a apuração realizada pela PF, os investigados se utilizavam de empresas de locação de veículos e de transporte rodoviário de passageiros para a movimentação das drogas e armas para vários destinos no Brasil. Os materiais eram armazenados em fundos falsos de ônibus e vans de turismo das empresas que pertenciam ao líder da organização investigada. – explica a PF, por meio de nota.

O nome da operação remete aos fuzis apreendidos, que eram montados com 80% das peças compradas sem registro com o propósito de dificultar o seu rastreamento.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Ou seja,falência moral generalizada.

Deixe uma resposta