Itália, como a França, passa a exigir comprovante de vacinação para transporte de longa distância

Medida visa aumentar taxa de vacinação no país em meio a ressurgimento de infecções por coronavírus

“Passe verde”, como está sendo chamado, não é obrigatório em metrô e ônibus urbanos

ALEXANDRE PELEGI

A Itália é mais um país a determinar a exigência de um passe verde para que o acesso a determinados lugares onde o ajuntamento de pessoas é natural, como museus, restaurantes, locais turísticos, teatros, etc.

O documento, também chamado de Passe Saúde, é uma medida do governo italiano para estimular a vacinação contra a Covid-19, e passou a valer na sexta-feira, 06 de agosto de 2021.

Para obter o passe ou certificado, a pessoa deve comprovar que recebeu pelo menos uma dose de uma vacina contra o coronavírus aprovada para uso na União Europeia, em documento digital ou em papel; estar recuperada do COVID-19 nos últimos seis meses; ou apresentar resultados laboratoriais negativos em um teste feito nas 48 horas anteriores.

Na noite de quinta-feira, 05 de agosto, o gabinete do premier Mario Draghi aprovou uma nova regra, estendendo a certificação obrigatória a partir de 1º de setembro para voos, trens de alta velocidade ou inter-regionais ou navios que navegam entre regiões.

Segundo um instituto de pesquisas em saúde 2,7 milhões de pessoas com mais de 60 anos ainda não estão totalmente vacinadas. Com a diminuição das regras de isolamento em junho, o total de casos por semana tem aumentado, passando de 5.000 para 38.000, e a porcentagem de pessoas com teste positivo aumentou de 2 para 11 por cento.

A Itália segue os passos da França. Neste país, como mostrou o Diário do Transporte, é obrigatório o uso do passe para frequentar bares, cafés, restaurantes, aviões, trens, ônibus e estabelecimentos médicos. Mesmo com uma onda de protestos contra a medida, o governo de Emmanuel Macron reforçou a exigência do certificado, ainda mais depois que a alta Corte do país decidiu que a lei é constitucional, o que aprova que o passe se tornou obrigatório a partir desta segunda, 9 de agosto. Relembre:

Franceses se rebelam contra obrigatoriedade de passe sanitário para usar o transporte público

Em São Paulo a gestão do governador João Doria considera exigir no Estado o mesmo “passaporte da imunização”, pelo qual o acesso a estabelecimentos e serviços só será permitido para quem estiver vacinado contra a covid-19.

A informação foi transmitida pelo coordenador do Centro de Contingência da covid-19 do Estado de São Paulo, Paulo Menezes, em entrevista coletiva, ao lado do governador no dia 04 de agosto de 2021. Relembre:

Franceses se rebelam contra obrigatoriedade de passe sanitário para usar o transporte público

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta