CPTM contrata empresa por R$ 7,7 milhões para construção de prédio de apoio e plataformas de serviço no pátio Guaianases da Linha 11 – Coral

Foto: Quiton Rayane/Twitter

Construtora Ohana terá prazo de vigência de 30 meses, sendo 18 meses para execução dos serviços e 12 meses de operação assistida

ALEXANDRE PELEGI

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM assinou contrato com a Construtora Ohana para construção de prédio de apoio e plataformas de serviço para acesso aos trens no pátio Guaianases da Linha 11 – Coral.

O contrato foi assinado em 03 de agosto, e publicado na edição do Diário Oficial desta sexta-feira, 06 de agosto de 2021.

A licitação foi realizada no dia 09 de junho de 2021, às 10h.

O valor do contrato é de R$ 7,7 milhões (R$ 7.738.937.63) base janeiro/2021.

A Construtora Ohana terá prazo de 30 meses para finalizar a entrega. Desse prazo, 18 meses serão para execução dos serviços e os outros 12 meses de operação assistida.


Considerada a linha de maior movimento, com cerca de 700 mil passageiros / dia antes da pandemia, abrange municípios da Região Metropolitana de São Paulo, como Ferraz de Vasconcelos, Poá, Suzano e Mogi das Cruzes, interligando 16 estações ao longo de seu trecho.

O Pátio Guaianases está inserido entre as estações José Bonifácio e Guaianases, e deverá passar por intervenções que permitirão adequar e viabilizar sua operacionalização, atendendo às condições sanitárias e de conforto em locais de trabalho.

Para adequar e viabilizar a operacionalização do Pátio de trens, estão previstas obras civis e intervenções que abrangem a implantação de vagas de estacionamento de veículos automotores no acesso ao pátio, construção de um novo prédio de apoio, inclusão de passarela metálica para o acesso interno dos funcionários entre a estação Guaianases e o estacionamento do Pátio, ampliação das plataformas existentes entre vias para apoio de embarque de maquinistas, pessoal de limpeza e conservação dos veículos ferroviários, implantação de piso drenante, intervenções em hidráulica envolvendo a complementação das obras nos sanitários existentes, combate a incêndio, sistema de ventilação e ar-condicionado, caixilharia, acabamento, entre outros.

Já no estacionamento de veículos automotores, deverá ser executado piso do tipo drenante para segurança dos funcionários, além de calçamento entre o estacionamento e o acesso às plataformas.

Um muro de contenção precisará ser construído em razão da diferença de cotas no terreno.

A nova edificação do prédio de apoio deverá conter copa, sala de treinamento, sala de maquinistas, sala para fiscalização, sala para setor de limpeza, sanitários e vestiários, além de sala de telecomunicação e sala para abrigar o gerador e transformador, dentre outros detalhes.

Estão previstas ainda intervenções em elétrica, assim como deverão ser implantados sistemas de telecomunicações, entre outros itens.

O prazo do contrato é de 30 meses, sendo 18 meses para a execução dos serviços e 12 meses de operação assistida.

De acordo com a planilha de quantidades e orçamento estimado da CPTM, a obra terá custo máximo de R$ 10,2 milhões (R$ 10.209.684,78).

Vencerá o certame a empresa que oferecer a maior taxa de desconto sobre este valor.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta