Com a compra de quatro ônibus de dois andares, Grupo Belarmino quer ampliar participação no fretamento eventual

Investimentos foram de aproximadamente R$ 5 milhões; Retomada da economia é um dos motivos da aposta

ADAMO BAZANI

Colaborou Jessica Marques

De olho na retomada econômica com o avanço da vacinação contra a covid-19, o Grupo Belarmino, que reúne empresas de ônibus em diversas partes do Estado de São Paulo, anunciou investimentos no fretamento eventual, que é a modalidade que engloba atividades de turismo, religiosas e receptivos empresariais e de eventos, por exemplo.

Uma das maiores ações neste programa de investimentos foi a compra, segundo o Grupo, de quatro ônibus DD (Double Decker), de dois andares, sendo dois para a empresa LiraBus e dois para a West Side.

Segundo o diretor de comunicação do Grupo Belarmino, Paulo Barddal, por meio de nota, os veículos devem atender principalmente a grupos que precisam se deslocar para diversas atividades de turismo e esportes, desde jogos de futebol, congressos, eventos religiosos e viagens turísticas. O atendimento será realizado pela unidade de negócios Viaje Mais, responsável pela locação de veículos para turismo.

Os quatro ônibus possuem ar-condicionado, iluminação interna com leds, piso no padrão madeira, monitores de TV, DVD, tomadas USB, wi-fi, rádios MP3, geladeiras, banheiros, dispensadores para álcool gel, vidros escuros, elevadores para deficientes, além de poltronas ergonômicas com descanso para pernas e pés.

CONFIGURAÇÕES:

Por meio de nota, o grupo informa as configurações dos veículos:

Ao Diário do Transporte, o Grupo Belarmino informou que dois dos ônibus possuem quatro eixos, com chassis marca Scania e carrocerias Marcopolo, modelo Paradiso G7 1800 DD, com 60 lugares cada. Ambos com 15 metros, os maiores do mercado nacional, que têm mais espaço no salão inferior e também no bagageiro.

As unidades ainda contam com suspensão pneumática, motores de 440 cavalos de potência e atendem a especificação Euro 5, que tem a menor emissão de poluentes entre os ônibus a diesel atualmente no mercado brasileiro. São dotados ainda de transmissão automática de 12 marchas e sistema de rebaixamento da suspensão, que facilita muito o embarque de passageiros.

Os veículos apresentam poltronas leito com apoio para os pés, no piso inferior, e poltronas convencionais, também com apoio para aos pés, no piso superior, que ainda tem vidro panorâmico.

Os outros dois ônibus são de três eixos e chassis Volvo, também modelo Paradiso G7 1800 DD, mas com 14 metros de carroceria e 43 lugares cada. Um deles tem motor de 450 cavalos de potência e outro, motor de 420 cavalos, ambos Euro 5. Também vêm equipados com sistema de rebaixamento para facilitar o embarque e suspensão pneumática. Os dois têm ainda poltronas leito com apoio de pés, nos dois andares, além de letreiro interno para informações e vidro panorâmico no piso superior.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Colaborou Jessica Marques

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Wagner Marques disse:

    Boa noite, Sr. Adamo Bazani, acompanho todas informações sobre as empresas de ônibus, fornecidas por sua pessoa, trabalhei na Viação Motta ( não a atual ) era em Dourados, também na Cometa ( Terminal Tietê), extinta São Manoel e fui fiscal na Rodoviária Júlio Prestes, por isso é que estou lhe enviando está sms, queria tirar uma dúvida. Na época que eu morava em Dourados, só a Viação Motta fazia São Paulo. Depois a Andorinha fazia Dourados até São José dos Campos, depois foi extinta, vendo no YouTube um vídeo de chegada de ônibus no terminal Barra Funda, vi um ônibus da Viação Garcia, de Dourados a São Paulo, poderia me informar se a mesma está fazendo a linha, já que não achei a linha na empresa, sou amigo de vários motoristas rodoviários no facebook, será um prazer ter uma informação sua, um abraço. Meu telefone com whatsapp é : (12) 9 8156-6498 WAGNER MARQUES.

  2. Rinaldo disse:

    Deveriam é indenizar as pessoas pelos acidentes de trânsito causados por ser veículos e motoristas.
    Estou desde outubro de 2020 tentando receber a indenização e seguradora que também é do grupo alega que o seu motorista não foi culpado.
    O mesmo atropelou minha motocicleta , parada ao lado esquerdo do ônibus e alegaram que a culpa era da moto…. então será mesmo que estão com a rasão ou o CTB e a constituição que está errada..???

Deixe uma resposta