Após quatro horas com transtornos por causa de um princípio de incêndio, Metrô de São Paulo entra em normalização

Trens superlotaram

Defeito começou na linha 1-Azul e depois de duas horas passou a afetar as linhas 2 e 3; Ônibus foram chamados para atender passageiros

ADAMO BAZANI

O Metrô de São Paulo começou a entrar em processo de normalização por volta de  20h30 desta segunda-feira, 02 de agosto de 2021, após um fim de tarde e noite de muitos transtornos para os passageiros que dependem dos serviços.

Agora, a situação é normal.

Logo depois de 16h30, um princípio de incêndio foi registrado entre as estações Luz e Tiradentes da linha 1-Azul (norte-sul).

Por meio de nota, o Metrô informou que houve uma falha de alimentação elétrica localizado nas proximidades de uma área de estacionamento de trens entre estas duas as estações.

Os trens passaram a operar se revezando apenas por um trilho (via singela) no trecho Santana – Tucuruvi  e Sé e em duas vias como o habitual entre Sé e  Jabaquara.

As estações no trecho de São Bento a Carandiru foram fechadas temporariamente por segurança.

Por volta das 18h30, por causa da restrição da linha 1-Azul, as linhas 2-Verde e 3-Vermelha também passaram a operar com velocidade.

Segundo o Metrô, a ocorrência foi decorrente de um sobreaquecimento de cabos em uma região de estacionamento de trens próximo à estação Luz.

Ao menos 40 ônibus do sistema Paese foram acionados para atender aos passageiros gratuitamente.

Em nota, o Metrô explicou o ocorrido

Uma falha no sistema de alimentação elétrica afetou a Linha 1-Azul entre 16h15 e 20h34 desta segunda-feira (2). Os trens circularam em dois trechos: entre as estações Jabaquara e Sé e de Santana a Tucuruvi. A ocorrência foi decorrente de um sobreaquecimento de cabos em uma região de estacionamento de trens próximo à estação Luz, sem comprometer a segurança dos passageiros. Enquanto técnicos atuaram para o restabelecimento, os ônibus do sistema Paese atenderam aos passageiros gratuitamente. Os passageiros foram informados pelo sistema de som das estações e trens e pelas redes sociais do Metrô.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta