Transunião: maior parte dos ônibus volta a operar, mas paralisação atinge ainda duas linhas na zona leste de São Paulo

SPTrans diz que empresa será penalizada

ADAMO BAZANI

A maior parte das linhas de ônibus da empresa Transunião, que atende bairros da zona Leste da capital paulista, voltou a operar na tarde desta quinta-feira, 29 de julho de 2021.

Apenas permaneciam paralisadas pelo menos até por volta de 17h30 duas linhas: 2702-10 (Vl. Americana / Metrô Artur Alvim) e 3008-10 (Jardim Miriam/ Estação Itaim Paulista – CPTM).

A informação é da SPTrans (São Paulo Transporte), gerenciadora do sistema de ônibus da cidade ao Diário do Transporte.

Com isso, foi desativada a operação PAESE (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) que estava sendo feita para as linhas 3006/10 Jd. Fanganielo – CPTM Guaianazes e 4051/10 Jd. São Paulo – CPTM Guaianazes.

Como mostrou a reportagem, a paralisação ocorreu na garagem na Rua Tibúrcio de Souza, 2.083 e afetou 39 linhas que atendem as regiões de Itaim Paulista, São Miguel Paulista, Guaianases e Cidade Tiradentes.

A SPTrans diz que solicitou esclarecimentos à empresa sobre o ocorrido. “O pagamento da prefeitura à Transunião está rigorosamente em dia e serão aplicadas as penalidades previstas em contrato”. – diz a gerenciadora.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/07/29/paralisacao-da-transuniao-afeta-39-linhas-na-zona-leste-de-sao-paulo-paese-acionado/

A reportagem tentou, mas não conseguiu localizar diretores da empresa para mais informações sobre o motivo da paralisação, mas funcionários disseram que parte dos operadores não teria recebido os repasses pelos trabalhos realizados.

A empresa Transunião Transportes S.A., que teve origem na garagem 3 da cooperativa Associação Paulistana, além de operar o lote de Distribuição D 3 (Área Operacional Nordeste 1) assumiu parte da operação da área 5- Sudeste da capital paulista, referente ao subsistema local da região no lugar da Imperial Transportes Urbanos, que teve origem na cooperativa Nova Aliança.

A paralisação afetou a garagem que teve origem na Associação Paulistana.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Pedro Henrique Veloso dos Santos disse:

    Todos os trabalhadores das empresas que pagam salários abaixo do piso devem cruzar os braços

Deixe uma resposta