VÍDEO: Borba Gato: Defesa Civil diz que estrutura não foi comprometida; Veja o momento do ataque à estátua

Grupo desembarcando de caminhão e colocando pneus antes de atear fogo

É uma análise preliminar; SPTrans diz que operação dos ônibus segue normalizada na região, depois de desvio de 15 linhas municipais 

ADAMO BAZANI/ALEXANDRE PELEGI

Uma análise preliminar da Defesa Civil de São Paulo descartou comprometimento na estrutura da estátua de Borba Gato, na Avenida Santo Amaro, na zona Sul da capital paulista.

O monumento foi atacado no início da tarde deste sábado, 24 de julho de 2021, por um grupo encapuzado que chegou em um caminhão e outros veículos.

Outras análises serão feitas para confirmar o resultado preliminar.

Por causa do ataque, a avenida foi bloqueada e a SPTrans (São Paulo Transporte) teve de desviar 15 linhas de ônibus municipais: 669A-10 Term. Sto Amaro – Term. Princ. Isabel; 6500-10 Term. Sto Amaro – Term. Bandeira; 637P-10 Term. Sto Amaro – Term. Pinheiros; 5111-10 Term. Sto Amaro – Term. Pq D. Pedro II; 6450-10 Term. Capelinha – Term. Bandeira; 675I-10 Term. João Dias – Metrô São Judas; 637G-10 Jd. Eliana – Pinheiros;  6414-10 Socorro – Term. Bandeira; 675A-10 Pq. Sto Antônio – Metrô São Judas; 6505-10 Term. Guarapiranga – Term. Bandeira; 6913-10 Term. Varginha – Term. Bandeira; 857C-10 Term. Campo Limpo – Metrô Conceição; 709M-10 Term. Sto Amaro – Term. Pinheiros;  476A-10 Ipiranga – Term. Sto Amaro; 856R-10 Lapa – Socorro

De acordo com a gerenciadora dos transportes, após a limpeza da via ainda na tarde, a operação dos ônibus permanece normal na região.

Por meio de nota, a SSP (Secretaria de Segurança Pública) informou que policiais civis do 11º Distrito Policial (Santo Amaro) e do 1º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M) realizam diligências em buscas de imagens e informações que possam ajudar na identificação e localização dos autores do ato de vandalismo.

Imagens divulgadas em redes sociais mostram que um grupo desembarcou de um caminhão VUC (Veículo Urbano de Carga) e de outros veículos e espalhou pneus pela via e nos arredores do monumento, ateando fogo na sequência.

Carros e motos conseguiram passaram no início da ação, mas por serem maiores, os ônibus ficaram retidos.

Ainda de acordo com as imagens, ao final da ação, antes de fugir, o grupo estendeu uma faixa escrita “Revolução Periférica”.

A ação causou tensão em motoristas e passageiros e também em funcionários e clientes de um posto de combustíveis.

As chamas, entretanto, não chegaram ao estabelecimento e não atingiram os ônibus, carros e motos que passavam ao lado.

 

MONUMENTO: ARTE OU POLÊMICA?

(Alexandre Pelegi)

Uma obra com 10 metros de altura a partir de seu pedestal carrega com suas 20 toneladas uma polêmica que divide opiniões.

Concebida e construída pelo artista plástico Júlio Guerra, o monumento inaugurado em 1963 no bairro de Santo Amaro se incorporou à paisagem do paulistano.

Apesar de muitos sequer saberem sua história, a polêmica da homenagem, apregoam muitos historiadores, reside em seu duvidoso heroísmo.

Para alguns, ele não passou de um algoz dos povos indígenas, os primeiros moradores do território paulista, contra os quais usou de toda sorte de violência. Para outros, foi um dos que ajudaram a alargar o território desbravando terras e descobrindo riquezas.

Para os portugueses, que então eram os colonizadores do Brasil, um homem como Borba Gato era providencial, e espelhava a visão da coroa de que era preciso extrair de nossas terras toda riqueza possível. Mas uma riqueza, tornam a contraditar historiadores, construída sobre o sangue indígena e que enricou a realeza em Portugal…

Resta a questão artística: indiferente a quem homenageia, a obra em si pode ser considerada como de inestimável valor cultural?

No meio disso tudo, prevalece em muitos a revolta de ver um país espoliado homenagear alguém que representou a violência contra seus povos nativos. Para outros, Borba Gato continua a ser um herói, independente dos meios que usou para alcançar fama e fortuna.

Adamo Bazani e Alexandre Pelegi, jornalistas especializados em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Meu Deus, quanta insensatez e incoerencia humana,,,,,,e a policia, nunguém estava proximo pra denunciar, chamar policia, bombeiro????

  2. alguém deve ter registrado essa horda de maloqueiros,,,,,pra depois responder na justiça…

  3. brunorodrigues90 disse:

    Excelente! parabéns aos responsáveis.

Deixe uma resposta