Eletromobilidade

Alstom vai fornecer 36 trens da Série 9000 para a ViaMobilidade

Foto: Diário do Transporte

Trens vão substituir a frota atualmente em operação nas linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda que devem ser devolvidas para a CPTM

WILLIAN MOREIRA

A Alstom, empresa francesa e uma das líderes no mercado ferroviário, foi selecionada pela concessionária ViaMobilidade Linhas, do Grupo CCR, para fornecer 36 trens para as linhas Linhas 8 e 9 que recentemente foram arrematadas pelo grupo em leilão.

Estas 36 unidades com oito carros de passageiros cada uma, fazem parte de um pacote de melhorias e investimentos previstos no edital de concessão das linhas 8-Diamante (Júlio Prestes – Amador Bueno) e 9-Esmeralda (Osasco – Grajaú, mas que vai atender até Varginha) em que a nova operadora deve promover no tempo de exploração previsto em contrato.

A frota selecionada pela ViaMobilidade Linhas foi a Série 9000, chamada de Metropolis pela fabricante, mesmo modelo já em operação na CPTM atualmente nas linhas 12-Safira e 13-Jade e que podem transportar por viagem 2.600 mil passageiros.

As composições fabricadas em aço inoxidável possuem maior durabilidade, podendo chegar a mais de 40 anos e têm um peso menor se comparado com trens fabricados em aço carbono.

Assim como os trens deste modelo que a CPTM já possui, os trens da concessionária vão contar com salão contínuo, ou seja, conexão única entre os carros, permitindo o livre trânsito no interior das composições, algo que também proporciona maior autonomia e conforto para pessoas com mobilidade reduzida ou com deficiência.

Estamos muito felizes com a escolha da ViaMobilidade pela Alstom para fabricar os novos trens das Linhas 8 e 9, apoiando os planos do Governo do Estado de fornecer transporte público seguro, confiável e eficiente para os passageiros em São Paulo”, afirmou o diretor Geral da Alstom no Brasil, Pierre Bercaire em nota divulgada para a imprensa.

Para entregar o novo pedido, a Alstom irá investir em uma nova linha industrial na fabrica de Taubaté no interior de São Paulo, gerando mais 500 empregos diretos e também fabricando neste local trens do mesmo modelo Metropolis para o sistema ferroviário de Bucareste na Romênia e em Taipei (Taiwan).

Além de São Paulo, o modelo Metropolis já é utilizado em cidades de grande porte urbano como Amsterdã, Cingapura, Cidade do Panamá, Barcelona, Paris, Riade, Dubai, Sydney, Montreal, Rio de Janeiro e Santiago.

As duas linhas somadas tem 73,6 quilômetros de extensão, ligando a capital paulista a cidades da Região Metropolitana de São Paulo.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Notei algo que poucos percebem: 1 tiro em cada folha de porta….outro problema que dificilmente será esclarecido: Coisa de área erma tanto Itaim, Grajaú, Morato, ou Perús, não dá pra saber local. Por sorte os vagões são feitos de placas de aço…

  2. carlos souza disse:

    Alston:envolvimento claríssimo no escândalo do Tremsalão do PSDBosthy@.
    Grupo CCR:se não me engano chegou a ser alvo da Lava-Jato.
    Já não chega a pandemia do fim dos tempos(COVID-19) e as k-ghadhy@as do (des)governo criminoso do Bozogado?

    1. Julia Almeida disse:

      Para q serve o MPF?? Deixa a empresa investir, q isso vai resultar melhorias e qualidade para transporte da população!! Petista sem vergonha!!

      1. vagligeiro disse:

        Para que existe a MPF? Vide Vaza-Jato e o moroso.

  3. Ismael Junior disse:

    Bem que poderia ser uns iguais aos 9500 da linha 7. Eles são tão Top…

Deixe uma resposta