Diário no Sul

Caxias do Sul verifica número de passageiros acima do permitido nos ônibus do transporte coletivo

Foto: prefeitura de Caxias do Sul

Entre os dias 5 e 9 de julho fiscalização de Trânsito contabilizou 475 usuários a mais; prefeitura acredita que período de pagamentos pode ter influenciado aumento de usuários

ALEXANDRE PELEGI

Dados da prefeitura de Caxias do Sul (RS) apontam um número de passageiros acima do permitido no sistema de ônibus do transporte coletivo municipal.

A Fiscalização de Trânsito acusou 475 usuários a mais entre os dias 5 e 9 de julho, o que representa índice de 1,62% do total de passageiros transportados.

Esse resultado está bem acima dos 0,37% da semana anterior, diz a prefeitura.

Atualmente, a frota está autorizada a transportar até 60% da capacidade máxima.

Um dos motivos, segundo a administração municipal, pode ter sido o começo do mês, época em que muitas pessoas recebem salários.

Pelo cálculo dos fiscais, o total de passageiros transportados ultrapassou 29 mil, em 124 linhas e 753 horários.

Para evitar novo excesso e aumentar os riscos de disseminação do coronavírus, a Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade (SMTTM) intensificaram as ações de fiscalização.

Além disso, na última semana a SMTTM alterou a grade da L83 – Campos da Serra, o que possibilitou maior opção de horários para atendimento de condomínios residenciais localizados em São Luis da 6ª Légua.

Com a alteração, são cinco horários de saída do bairro e mais três horários da EPI Imigrante. Antes da alteração, havia apenas três horários.

Desde o começo das operações, em 23 de abril de 2020, a SMTTM observou 1.459.242 passageiros nos ônibus, com 19.345 acima do limite. O índice de excesso no período é de 1,32%.

Maiores volumes entre 5 e 9 de julho

TR01 – Troncal (51 usuários em excesso)

L29 – Jardim Iracema (47 usuários)

L30 – Montes Claros (36 usuários)

L53 – Centenário (35 usuários)

L27 – Vila Ipê (34 usuários)

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta