Mercedes-Benz do Brasil comemora 20 anos da linha O 500 de ônibus com mais de 70 mil unidades produzidas

Modelo é fabricado em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Foto: Divulgação.

Chassi é vendido nos segmentos de urbano e rodoviário

JESSICA MARQUES

Nesta segunda-feira, 05 de julho de 2021, a Mercedes-Benz do Brasil comemora 20 anos da linha O 500 de ônibus. Nesta mesma data, em 2001, a fabricante registrou o primeiro faturamento de um ônibus da linha, o modelo O 500 U 1725/59.

Desde então, foram mais de 70 mil unidades produzidas na fábrica da empresa em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, atendendo a demandas nacionais e internacionais.

O chassi é vendido tanto no segmento urbano, com modelos padron, articulados e superarticulados, como no rodoviário, com versões para curtas, médias e longas distâncias.

“Os ônibus O 500 são amplamente reconhecidos no mercado por seu alto padrão de confiabilidade e conforto graças a elementos como motor traseiro, suspensão totalmente pneumática, motores robustos, econômicos e compatíveis com o meio ambiente e trem de força harmônico e robusto”, afirmou o diretor de Vendas e Marketing Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, Walter Barbosa, em nota.

“Além disso, são destaques também pelos diversos recursos de conforto de dirigibilidade para os motoristas e, principalmente, pelos vários itens de conforto e segurança a bordo, tanto para os passageiros, como para os condutores. Isso inclui, por exemplo, o controle eletrônico da suspensão pneumática e o sistema de ajoelhamento do ônibus, o que facilita o embarque e o desembarque, assegurando assim a acessibilidade e a mobilidade no transporte por ônibus”, detalhou também.

O 500 NO URBANO E RODOVIÁRIO

A linha O 500 atende demandas do transporte de passageiros. São ônibus convencionais e padron (para carroçarias até 13,2 metros), super padron (até 14 metros), articulados 6×2 (até 18 metros) e superarticulados 8×2 (até 23 metros), em versões com piso baixo ou piso alto.

Segundo a Mercedes-Benz, esses modelos são indicados para o transporte coletivo urbano, sejam em linhas troncais de sistemas como BRT (Bus Rapid Transit), corredores e faixas exclusivas, como em vias alimentadoras e distribuidoras que interligam os bairros às regiões centrais.

Para o segmento rodoviário, o portfólio O 500 conta com vários modelos para curtas, médias e longas distâncias, bem como para fretamento e turismo. A oferta inclui de ônibus rodoviários 4×2 a modelos 6×2 e 8×2 aptos para carroçarias High Decker e Double Decker.

TECNOLOGIA

Atualmente, a fabricante oferece diversas tecnologias para o modelo, como o ACC (piloto automático adaptativo). Por meio de sensores na dianteira, o piloto automático adaptativo ajuda o motorista a manter o ônibus numa distância segura em relação ao veículo que vai à frente. Em uma situação de extrema emergência, se o condutor não reagir, o sistema entra em ação, freando automaticamente o veículo para evitar o impacto.

Entre itens de série e opcionais, o pacote de tecnologia de segurança e de conforto dos ônibus rodoviários O 500 inclui ainda: AEBS – Advanced Emergency Braking System (sistema de frenagem de emergência), LDWS – Lane Departure Warning System (sistema de aviso de faixa), TPMS – Tyre Pressure Monitoring System (sistema de monitoramento da pressão e temperatura dos pneus), assistente de partida em rampa, Retarder (sistema auxiliar de freio), Top-Brake (freio-motor auxiliar), suspensão com sistema anti-tombamento, ABS (sistema anti-travamento), ASR (sistema de controle de tração), EBS (sistema eletrônico de freios), ECAS (suspensão pneumática controlada eletronicamente), ESP (controle eletrônico de estabilidade), eixo ERA direcional com foco em maior estabilidade, freios a disco e Power Mode, que oferece mais segurança em ultrapassagens.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rodrigo Zika disse:

    Acho muito bonita essa config desde o ML II, uma pena que em SP aquela regra imbecil proíbe ônibus de piso alto, eles seriam bem melhores que o de motor dianteiro, que com o tempo parecem uma carroça velha andando de tanta coisa solta balançando.

Deixe uma resposta para Rodrigo Zika Cancelar resposta