Prefeitura de Itu assina contrato emergencial por seis meses com a Vitu

Foto: Renan Bomfim Deodato / Ônibus Brasil

Serviço de transporte coletivo municipal está em processo de licitação, com concorrência marcada para dia 12 de julho

ALEXANDRE PELEGI

A prefeitura de Itu, interior de São Paulo, publicou na edição do Diário Oficial do Estado deste sábado, 03 de julho de 2021, extrato de contrato assinado por dispensa de licitação com a Viação Itu (Vitu).

O objeto do documento é a execução e exploração de Serviço de Transporte Coletivo de Passageiros com fornecimento de veículos e mão de obra pelo prazo de até 180 dias, com tarifa no valor de R$ 5,00.

Com a data de assinatura em 25 de junho passado, o contrato entrou em vigência no dia 30 daquele mês, e vai até o dia 26 de dezembro de 2021.

Como mostrou o Diário do Transporte, a prefeitura de Itu está prestes a realizar a sessão de abertura da licitação definitiva do transporte municipal, a se realizar no próximo dia 12 de julho.

O Aviso de Licitação de concessão para exploração do serviço do transporte coletivo urbano foi lançado pela administração municipal no dia 08 de junho de 2021, após a realização de uma audiência pública no dia 16 de março para apresentação e coleta de informações e sugestões destinadas ao projeto da concessão do serviço do transporte coletivo.

Atualmente o transporte municipal é atendido pelas empresas Viação Itu (Vitu) e Viação Avante.

No final de seu mandato, em 2000, o então prefeito Leonel Salvador prorrogou o contrato com as duas empresas, estendendo-o por mais 20 anos.

O novo prefeito, Lázaro Piunti, ao assumir em 2001, acionou a Justiça para revogar a prorrogação da concessão, mas não conseguiu.

Desta forma, o prazo da prorrogação venceu recentemente, o que levou a prefeitura a ultimar os processos para realizar nova licitação do transporte local.

O contrato por seis meses assinado com a Viação Itu é para garantir o serviço de transporte enquanto o processo licitatório se completa.


NOVOS PARÂMETROS

Na audiência pública realizada em março deste ano foram apresentadas as características básicas que nortearam o edital da licitação, bem como algumas propostas preliminares.

Atualmente o sistema de transporte da cidade é composto por 37 linhas de ônibus, sendo que 17 dessas linhas (46%) são destinadas à área rural.

Outro detalhe citado no estudo que orientou o projeto de concessão é a configuração das linhas de ônibus do atual sistema, no formato radiocêntrico. Isso fomenta a saturação das vias centrais e o forte carregamento de veículos pesados no centro histórico da cidade.

Apenas uma região da cidade (Pirapitingui) opera de forma tronco-alimentada, com linhas radiais e alimentadoras.

Outro ponto destacado na audiência foi quanto à infraestrutura dos pontos de paradas dos ônibus. Apenas 12% dos pontos da cidade têm cobertura (158 em 1330), e 68% do total não têm qualquer sinalização adequada.

O Vale Transporte representa entre 50% e 60%¨da demanda do sistema, enquanto os demais usuários pagantes apenas cerca de 15%.

As gratuidades representam entre 25% e 30%, e os estudantes chegam a representar 30%.

A frota atual é composta por 15 articulados e 63 ônibus convencionais, num total de 78 veículos. A idade média da frota é de 7,5 anos.

A demanda de passageiros despencou na pandemia: de 625.905 usuários em fevereiro de 2020 chegou em dezembro de 2020 com apenas 385.772.

No comparativo entre 2019 e 2020, a demanda anual despencou de 8,2 milhões para 4,7 milhões de passageiros.

Uma das propostas feitas na Audiência é de uma de rede de transporte com 52 linhas, mas com redução de 252 km de extensão total. Isso significa otimização do sistema, com redução de aproximadamente 12% na produção de quilômetros, o que representa economia de R$ 110 mil por mês.

O prazo de concessão previsto é de 15 anos, e o critério de seleção será o de menor valor da tarifa.

A frota será composta por microônibus, midiônibus, convencional e articulado.

Ônibus urbano até 100 passageiros com idade máxima de oito anos.

Ônibus articulado (maior que 100 passageiros), idade máxima de 12 anos.

Ônibus rurais até 12 anos.


Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rafael Aparecido ferreira De Souza disse:

    Isto nos todos ituano já sabia que a viação Itu não vai sai daqui de Itu trouxa de quem acreditou

  2. José disse:

    Vai entrar a mesma empresa (do grupo) mais com nome diferente.ou vai continuar as duas, que são a mesma coisa.
    Só muda o nome

Deixe uma resposta