Contratos das empresas de linhas metropolitanas em Minas Gerais serão investigados pela controladoria

Formação de cartel e fraudes na oferta de tarifas em licitação de 2007 estão entre as supostas irregularidades

ADAMO BAZANI

O Governo de Minas Gerais informou que determinou que a Controladoria-Geral do Estado (CGE) e a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) investiguem os contratos firmados com as empresas de ônibus que fazem as linhas metropolitanas.

Estes s contratos são provenientes de uma licitação de 2007 e, entre as suspeitas, estão irregularidades como formação de cartel e fraudes na oferta de tarifas.

Por meio de nota, a gestão estadual informou que as apurações ocorrem em razão de relatórios encaminhados à Seinfra em 29 de junho de 2021 pelo MP de Contas e Ministério Público do Estado de Minas Gerais relatando as supostas irregularidades em benefício das empresas de ônibus.

O Governo do Estado de Minas Gerais determinou à Controladoria-Geral do Estado (CGE) e à Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra) a apuração de supostas irregularidades no Edital de Concorrência Pública Nº 01/2007 para a concessão do transporte público metropolitano. A ação ocorre após a Seinfra receber, no dia 29 de junho de 2021, ofício do Ministério Público de Contas com os Relatórios das Fases II e III da investigação conjunta realizada pelo MP de Contas e Ministério Público do Estado de Minas Gerais. Em razão dos elementos apresentados, foram iniciadas investigações preliminares pela Seinfra e CGE. Os fatos em análise são de atos anteriores à gestão atual.

Já os contratos das linhas municipais de Belo Horizonte estão sendo alvos de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que apura irregularidades como possíveis falhas em auditoria contratada pela prefeitura para verificar as contas e os custos do sistema.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Inclui o caso das vacinas clandestinas contra a COVID-19,que foram em uma garagem de uma empresa de ônibus?KKKKKKKKKKKK….

Deixe uma resposta para carlos souza Cancelar resposta