Greve do Metrô de São Paulo é adiada e nesta quinta (1º) todas as linhas funcionarão

Categoria quer que Companhia do Metropolitano cumpra decisão do TRT que determinou reajuste de 7,79% nos salários e benefícios

ADAMO BAZANI

Todas as linhas do Metrô de São Paulo e o monotrilho da linha 15-Prata vão funcionar nesta quinta-feira, 1º de julho de 2021.

Em assembleia virtual encerrada após às 21h desta quarta-feira, 30 de junho de 2021, os metroviários decidiram adiar a greve que tinha sido anunciada para este dia 1º.

Os metroviários reclamam que o Metrô ainda não aplicou o reajuste de 7,79% nos salários e benefícios determinados pelo TRT (Tribunal Regional do Trabalho) em dissídio coletivo no dia 02 de junho de 2021.

O Sindicato divulgou nota da decisão.

A categoria, em assembleia on-line na noite de 30/6, suspendeu a greve marcada para 1º/7. E decidiu retomar o Estado de Greve. O Metrô ainda não cumpriu tudo o que foi prometido. E não há motivos para acreditar em tudo que a empresa afirma. Continuaremos mobilizados.

Em audiência realizada hoje (30/6) no TRT, o Sindicato cobrou a devolução dos valores descontados dos trabalhadores da Manutenção. O Sindicato enviará uma carta e a empresa terá cinco dias para responder ao questionamento. Os descontos significaram o rompimento de Cláusula de Paz firmado entre Sindicato e Metrô em audiência no TRT.

O uso dos coletes será suspenso. Vamos todos usar adesivos. Temos de permanecer alertas. Doria e direção do Metrô já deram provas de que não são confiáveis.

A assembleia também aprovou a continuidade da luta pela sede do Sindicato. Várias atividades estão confirmadas na sede. E no dia 3/7 os metroviários participarão de um grande ato pelo Fora, Bolsonaro, na avenida Paulista. Fora, canalha!

Como mostrou o Diário do Transporte, a Companhia do Metrô de São Paulo no dia 21 de junho de 2021, comunicou que vai cumprir em julho a decisão.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/06/21/metro-de-sp-avisa-a-funcionarios-que-vai-cumprir-determinacao-do-trt-de-reajuste-de-779/

Os metroviários querem ainda que não sejam descontados os salários dos trabalhadores da manutenção.

O Metrô tentou no TST (Tribunal Superior do Trabalho) suspender a decisão do TRT Paulista, mas em 17 de junho de 2021, a ministra-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, Maria Cristina Irigoyen Peduzzi, extinguiu a ação sem resolução de mérito por entender que o Metrô usou via judicial inadequada.

É flagrante a inadequação da via eleita, já que a medida de suspensão não é o instrumento processual adequado para obter a suspensão dos efeitos de decisão normativa (Dissídio Coletivo), sobretudo diante da constatação de que não houve sequer a interposição do respectivo Recurso Ordinário. A pretensão de obter efeito suspensivo a Recurso Ordinário que sequer foi interposto no Dissídio Coletivo principal não se coaduna com a via estreita das medidas de segurança. Ante o exposto, diante da flagrante inadequação da via eleita, julgo extinto o processo sem resolução de mérito, com fundamento no art. 485, VI, do CPC/2015. – diz trecho da decisão

Como mostrou o Diário do Transporte, o julgamento ocorreu no dia 02 de junho de 2021.

A categoria fez uma greve no dia 19 de maio de 2021, o que causou transtornos nos deslocamentos na capital paulista, provocando superlotação em ônibus, mesmo durante a pandemia de covid-19 quando uma das principais recomendações das autoridades de saúde é não criar condições para aglomerações.

No julgamento, por decisão unânime, com 11 votos a zero, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) determinou os seguintes pontos:

– Reajuste de 7,79% sobre todas as cláusulas econômicas, incluindo salários e tickets (vale reeleição e vale alimentação)

– Redução Temporária do Adicional Noturno para 40% por seis meses

– Redução Temporária do Adicional de Férias para 60% por seis meses

– Congelamento por um ano da gratificação por tempo de serviço

– Abono salarial de R$ 2295 a ser pago em 31 de janeiro de 2022

– Pagamento da Segunda Parcela da PR (Participação nos Resultados) sem a especificação de valor

– Não abusividade da greve que ocorreu no dia 19 de maio de 2021, o que na prática garante que os trabalhadores não sejam demitidos e nem tenham descontos pelas horas de greve.

O acordo vale para os filiados ao Sindicato dos Metroviários.

Já para os empregados filiados ao Sindicato dos Engenheiros, que aceitou proposta do Metrô e não levou a campanha salarial ao dissídio coletivos, os reajustes serão:

– 2,61% sobre salários, vale-alimentação e vale-refeição a partir de janeiro de 2022, não retroativo.

– Pagamento do abono salarial em 31 de março de 2022, equivalente aos salários normativos atuais dos metroviários.

– 60% de adicional de férias, sendo R$ 2.295,06 como parcela fixa e mais 0,6 vezes a diferença entre o salário nominal e a parcela fixa.

– Adicional noturno de 35% sobre o salário base

– Pagamento da segunda parcela Participação de Resultados de 2019 em 31 de janeiro de 2022, mediante formalização de acordo.

– Pagamento da gratificação por tempo de serviço aos empregados que completaram o quinto ano de vigência do vínculo empregatício até 30 de abril de 2021. Para os que já receberam a gratificação, não haverá o acréscimo de 1% a cada ano que vier a ser completado. Já para os empregados com menos de cinco anos até 30 de abril de 2021 será paga a gratificação de acordo com os anos de vínculo empregatício de forma proporcional.

SEDE DO SINDICATO:

Outro ponto de desentendimento entre Sindicato dos Metroviários e a empresa é sobre o imóvel usado como sede da entidade trabalhista desde 1990.

Como mostrou o Diário do Transporte, em 24 de junho de 2021, atendendo a ação do Metrô, a juíza Luiza Barros Rozas Verotti, da 13ª Vara de Fazenda Pública determinou a reintegração de posse do imóvel.

A juíza determinou ainda que pode ser usada força policial.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/06/24/justica-atende-gestao-doria-e-determina-reintegracao-de-posse-de-imovel-utilizado-pelo-sindicato-dos-metroviarios-de-sao-paulo/

A Companhia de Metrô de São Paulo entregou ao Sindicato dos Metroviários uma espécie de “ultimato” para que a entidade trabalhista deixe o prédio que utiliza na Rua Serra do Japi, na região do Tatuapé, zona Leste da capital paulista, desde dezembro de 1990.

Um ofício assinado pelo gerente de Recursos e Infraestrutura do Metrô, Paulo Luiz Bafini, dá o prazo de até 23 de junho de 2021, às 10h para que a entidade trabalhista deixe o local.

No documento, datado de quinta-feira, 17 de junho de 2021, o Metrô diz ainda que todas as benfeitorias e melhorias no prédio que foram feiras pelo Sindicato não podem ser retiradas do imóvel.

O local pertence ao Metrô e tinha sido cedido ao sindicato, mas a gestão do governador João Doria decidiu se desfazer de imóveis do Metrô que não são ligados diretamente à operação ou à gestão das linhas e incluiu a sede do Sindicato.

A alegação é buscar recursos além das tarifas pagas pelos passageiros.

Como mostrou o Diário do Transporte, em 28 de maio de 2021, o terreno onde está o sindicato foi leiloado pela companhia, que recebeu proposta de R$ 14,4 milhões da UNI 28 SPE Ltda, representada por Juliana Gomes Rocha Bouvier, arquiteta Coordenadora de Ciência Urbana e Novos Negócios na Porte Engenharia e Urbanismo.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/05/28/terreno-da-sede-do-sindicato-dos-metroviarios-de-sp-e-arrematado-por-r-144-milhoes/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Arnaldo Santana disse:

    Kkkkkķ, metroviarios brigam com DORIA, sai 03/07/21, contra BOLSONARO para fazer campanha para o DORIA, NÃO ENTENDI NADA, isso é coisa de SINDICATO usando funcionários do METRÔ!!!

  2. Rodrigo Sobral Lopes De Souza disse:

    Sei que já virou palhaçada essa porra, privatiza td aí quero ver nego pensar duas vezes antes de fala em greve… Privatização já.

Deixe uma resposta para Arnaldo Santana Cancelar resposta