Se Sindicato dos Motoristas de São Paulo fizer outra paralisação sem avisar será multado em R$ 200 mil, decide Justiça

Ônibus em São Paulo

Passageiros foram pegos de surpresa nesta terça-feira (08); Entidades sindicais prometem nova paralisação no dia 21

ADAMO BAZANI

A desembargadora Sueli Tomé da Ponte, do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, estipulou multa de R$ 200 mil ao Sindimotoristas, sindicato que representa os motoristas e cobradores da capital paulista, caso a entidade promova novas paralisações sem comunicar formalmente com, no mínimo, 72 horas de antecedência.

A decisão, desta quarta-feira, 09 de junho de 2021, atende ação da gerenciadora de transportes da cidade São Paulo e visa evitar o que ocorreu na terça-feira (08), quando 15 garagens de ônibus da capital foram paralisadas para a realização de uma assembleia em campanha salarial dos motoristas e cobradores.

Diversos passageiros foram pegos de surpresa já que não houve ampla divulgação do ato sindical com antecedência.

A situação só começou a se normalizar depois de 06h20 na cidade.

As regiões mais afetadas foram Zona Sul (Capão Redondo, Jardim Ângela, Santo Amaro e Jd. São Luis); Zona Leste (São Mateus, Vila Carrão, Itaim Paulista, São Miguel Paulista, Guaianases, Cidade Tiradentes e Itaquera) e Zona Norte (Imirim, Jardim Peri, Santana, Tucuruvi, Vila Nova Cachoeirinha, Vila Maria e Vila Guilherme.)

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2021/06/08/paralisacoes-de-onibus-em-sao-paulo-e-em-guarulhos-por-causa-de-sindicatos-em-garagens-nesta-terca-08-pegam-passageiros-de-surpresa/

O Sindimotoristas anunciou uma nova paralisação para o dia 21 de junho de 2021.

A decisão que determina a necessidade de comunicação com 72 horas de antecedência e estipula a multa em caso de descumprimento vale “no caso de deliberação de deflagração de novo movimento paredista em 21/06/2021 ou antes dessa data”

A desembargadora destaca que ao contrário do que determina a Lei 7.783/89, não houve comunicação antecipada da paralisação de terça-feira, 08 de junho, por parte do sindicato da categoria aos empregadores e passageiros.

A SPTrans pediu também que o TRT determinasse 90% dos serviços de transporte no horário das 6h às 9h e das 16h às 19h, e de 70% nos demais horários em qualquer eventual greve.

A desembargadora, entretanto, não atendeu neste momento este pedido já que ainda não foi decida a greve em assembleia.

Veja a decisão na íntegra:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Antonio palacio disse:

    Existe notícias de que algum dia sindicatos pagaram multa?

Deixe uma resposta para Antonio palacio Cancelar resposta