Paralisações de ônibus em São Paulo e em Guarulhos por causa de sindicatos em garagens nesta terça (08) pegam passageiros de surpresa

Ônibus da capital paulista

Usuários relatam dificuldades para chegar ao trabalho já nas primeiras horas

ADAMO BAZANI

Por causa de ações sindicais em garagens, a população ficou sem ônibus no início da manhã na capital paulista e cidades vizinhas, como em Guarulhos.

Na capital, as regiões mais afetadas foram Norte e partes da Leste, Sul e Oeste.

Na cidade de São Paulo, ao menos 15 garagens que foram paralisadas pelos sindicalistas e em Guarulhos, os sindicatos atrasaram a rotina dos usuários da Arujá, Guarulhos Transportes, Transdutra e Vila Galvão.

Alguns passageiros relatam que parte da frota estava rodando com catraca livre, como na linha Santana/Ceasa, da Sambaiba

Os sindicatos realizaram assembleias em garagens alegando campanha salarial.

Os motoristas e cobradores já estão sendo vacinados contra a covid-19.

A maioria dos passageiros ainda não recebeu a imunização, mas enfrentou lotação nos poucos ônibus que foram liberados pelos sindicalistas, contrariando as recomendações dos órgãos de saúde.

Os sindicatos dos rodoviários não comunicaram a população com antecedência e muitos passageiros foram pegos de surpresa, causando revolta dos usuários contra estas entidades sindicais, como pode ser visto em várias mensagens de redes sociais.

Em Guarulhos, a EMTU diz que a liberação foi aos poucos por garagens

As empresas Arujá, Guarulhos Transportes, Vila Galvão e Transdutra tiveram suas linhas paralisadas no início da operação desta terça-feira (08) devido a intervenção sindical nas garagens.As linhas das empresas Arujá e Guarulhos foram liberadas a partir das 5h05; na Transdutra, a liberação ocorreu a partir das 5h12 e as linhas da Vila Galvão começaram a circular a partir das 5h45.Durante o período em que as empresas tiveram paralisadas, a EMTU acionou as empresas Radial e Tipbus para cumprir os itinerários coincidentes com as linhas paralisadas para a minimizar os impactos aos passageiros.

Já a SPTrans, por meio de nota, diz que o problema enfrentado pelos passageiros foi manifestação sindical e relacionou os bairros prejudicados.

A SPTrans informa que as linhas de 15 garagens de empresas de ônibus estão retornando à operação gradativamente a partir das 4h desta terça-feira, 8 de junho, após manifestação sindical desde as 3h20.

Foram afetadas linhas das seguintes regiões:

Zona Sul:
Capão Redondo, Jardim Ângela, Santo Amaro e Jd. São Luis.

Zona Leste:
São Mateus, Vila Carrão, Itaim Paulista, São Miguel Paulista, Guaianases, Cidade Tiradentes e Itaquera.

Zona Norte:
Imirim, Jardim Peri, Santana, Tucuruvi, Vila Nova Cachoeirinha, Vila Maria e Vila Guilherme.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Adam lima disse:

    Quem vai responsabilizar os sindicatos que estão promovendo paralização e com isso obrigando a população a aglomeração dentro das lotações e micro ônibus , Os sindic8tem quer responsabilizados e multados .

  2. Mauro Balmiza disse:

    Não sejam levianos/ mentirisos. A paralisia não é por culpa do sindicato, E SIM dos patrões do transporte que são intransigentes . É ridículo tentar culpar o lado mais fraco pra tentar jogar a opinião pública contra os trabalhadores.

  3. MARCIO SILVA GONÇALVES disse:

    Bastou a China dar 500 mil dólares para a Cut e já começou a palhaçada de novo….

  4. Alex disse:

    O problema é q a categoria ja está sem aumento a praticamente 2 anos e muitos motoristas e cobradores ñ estão podendo contar nem c o salário, pois muitos ñ conseguem completar a jornada mínima de trabalho q é d 7h e então consequentemente o salário cai

  5. Mimary, Márcio disse:

    Sindicato só trabalha em causa própria de seus interesses financeiros! Estão se lixando para o trabalhador!

Deixe uma resposta para Alex Cancelar resposta