OUÇA: EMTU tem até 30 de junho para entregar os estudos da licitação das áreas 1,2,3 e 4 da Grande São Paulo, diz Baldy

Segundo secretário dos Transportes Metropolitanos, se chegar à conclusão de viabilidade, a EMTU pode apresentar para as áreas 1,2,3 e 4,  modelo semelhante ao aplicado no ABC Paulista (extinta área 5).

ADAMO BAZANI

Colaborou Jessica Marques

Ouça clicando neste botão de áudio abaixo:

Dia 30 de junho de 2021 é a data-limite de para que a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) apresente os estudos e o modelo de contratos para a licitação de concessão das áreas 1,2,3 e 4 dos ônibus da Grande São Paulo.

A informação é do secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Bady, em entrevista a portais de mobilidade na tarde desta segunda-feira, 31 de maio de 2021, entre os quais, o Diário do Transporte.

A concorrência, que envolve todas as cidades da região metropolitana de São Paulo menos os municípios do ABC Paulista que terá um novo modelo de contrato, deveria ter sido concluída em 2016, mas sofreu contestações tanto na Justiça como no TCE (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo).

De acordo com Alexandre Baldy, serão necessários mais 180 dias para lançar a licitação por causa do prazo do fim dos contratos atuais com as empresas de ônibus, que já estão em aditivo.

“Nós demos prazo para a EMTU que nos apresentasse justamente essa resposta até o dia 30 de junho porque nós precisamos de 180 dias prévios haja vista o fim da concessão das áreas 1,2,3,4 para que a gente então possa encaminhar para vários órgãos do governo para que a gente possa fazer essa licitação”

Entre os órgãos que devem analisar a licitação, além da própria secretaria dos Transportes Metropolitanos, estão a PGE (Procuradoria Geral do Estado), a Secretaria de Governo, a Secretaria de Planejamento e os conselhos estaduais de desestatização e parcerias.

Como mostrou o Diário do Transporte, na antiga área 5, do ABC Paulista, onde nunca foi concluída uma licitação da EMTU, o governo do Estado decidiu criar um novo modelo de transportes e contrato pelo qual, por meio da renovação contratual com a Metra (operadora do Corredor ABD de trólebus) incorporou a construção de um BRT (Bus Rapid Transit) e deu à companhia a responsabilidade de operar 85 linhas comuns do na região.

Para isso, o grupo da Metra criou uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) chamada ABC Sistemas cuja marca fantasia é Next Mobilidade.

O contrato vai até 2046 e tem o valor de R$ 22,6 bilhões.

Segundo Baldy, se chegar à conclusão de viabilidade, a EMTU pode apresentar para as áreas 1,2,3 e 4  modelo semelhante ao aplicado no ABC Paulista (extinta área 5).

“A decisão do que foi feito com a Metra e com a Área 5 foi com estudos que a EMTU realizou. Não é de responsabilidade da STM o gerenciamento desses estudos e obviamente da execução. Portanto, a EMTU apresentou na ocasião e da mesma forma, se ela desejar por acreditar que esse seria o modelo, obviamente ela tem que apresentar formalmente, o que ela ainda não fez.”

ÁREAS:

A divisão por áreas e consórcios da EMTU na Grande São Paulo é a seguinte (sujeita a alterações):

– ÁREA 1:

Cidades: Cotia, Embu das Artes, Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Taboão da Serra, Vargem Grande Paulista e São Paulo.

Operadoras: Consórcio Intervias (Viação Pirajuçara, Viação Raposo Tavares, Viação Miracatiba)

– ÁREA 2:

Cidades: Barueri, Cajamar, Caieiras, Carapicuíba, Francisco Morato, Franco da Rocha, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba e São Paulo.

Operadoras: Consórcio Anhanguera (Auto Viação Urubupungá, Viação Osasco, Viação Cidade de Caieiras, Ralip Transportes Rodoviários, Empresa de Transporte e Turismo Carapicuíba, Del Rey Transportes, Auto Ônibus Moratense, Benfica Barueri Transporte e Turismo)

– ÁREA 3:

Cidades: Arujá, Guarulhos, Mairiporã, Santa Isabel e São Paulo

Operadoras : Consórcio Internorte (Empresa de Ônibus Vila Galvão, Viação Transdutra, Guarulhos Transportes,   ATT, ,  Empresa de Ônibus Pássaro Marron e Serveng Transportes, Viação Atual, Empresa de Transportes Mairiporã, Viação Arujá).

– ÁREA 4:

Cidades: Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Suzano e São Paulo.

Operadoras: Consórcio Unileste (Radial Transporte Coletivo, Viação Jacareí, Empresa de Ônibus Pássaro Marron, ATT – Alto Tietê Transportes).

– ÁREA 5 (Permissionárias) – EXTINTA:

Cidades: Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, São Paulo.

A área 5 da EMTU foi extinta para a criação de um novo SIT (Sistema Integrado de Transporte) no âmbito da prorrogação do contrato até março de 2046 do Corredor ABD (ônibus e trólebus) com a Metra.

O grupo da Metra formou uma SPE (Sociedade de Propósito Específico) chamada ABC Sistemas (Next Mobildiade) e o contrato de R$ 22,6 bilhões contempla a construção e operação do BRT (Bus Rapid Transit) com ônibus elétricos à bateria entre São Bernardo do Campo e São Paulo; modernização e operação do Corredor ABD, operação e renovação das 85 linhas remanescentes, correspondentes aos itinerários que existiam na área 5.

Operadoras (não consorciadas): ABC, EAOSA, Expresso SBC, Imigrantes, Mobibrasil (já deixou o sistema), Parque das Nações, Publix, Riacho Grande, Ribeirão Pires, Rigras, São Camilo, Trans-Bus, Triângulo, Tucuruvi, Urbana e Vipe.  Todas devem deixar o sistema até março de 2022.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta