Liminar do TRT determina funcionamento do metrô de BH com escala mínima em greve anunciada para esta quarta (26)

Presidente do Sindimetro-MG, Romeu Machado, em Live agora à noite

Paralisação foi anunciada por trabalhadores da CBTU para reivindicar a vacinação contra a Covid-19

ALEXANDRE PELEGI

Os trabalhadores do Metrô de BH, operado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos – CBTU, devem acatar a decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que na manhã desta terça-feira, 25 de maio de 2021, expediu tutela cautelar como resultado da audiência de conciliação entre o sindicato e a Companhia, determinando funcionamento diário de 100% dos trens, das 05h30min às 10 horas e das 16h às 20h, por 24 horas.

Em caso de descumprimento, a entidade sindical que representa a categoria terá que pagar multa de R$ 30 mil.

A paralisação foi anunciada em vários estados para reivindicar a vacinação contra a Covid-19.

A decisão liminar de hoje foi assinada pelo desembargador Fernando Luiz Gonçalves Rios Neto. Ele ordenou que a segurança de todas as estações deve ser mantida em período integral.

Em nota a CBTU informou que apoia que os metroviários estejam incluídos como prioridade na ordem de vacinação.

A Companhia reafirma que vem atuando, conjuntamente, com a CNT – Confederação Nacional do Transporte, Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos), bem como em todas as esferas do governo, seja ela municipal, estadual e federal, para que os metroviários sejam priorizados na imunização, posto que a vacinação é ação fundamental para a garantia das operações“.

A Companhia, no entanto, afirmou que não cabe a ela definir o cronograma de vacinação.

“A ordem de prioridade é definida por meio de política pública orientada pelo Ministério de Saúde, em conjunto com as Secretarias de Saúde Estadual e Municipal. Portanto, a reivindicação feita pelo SINDIMETRO-MG foge à autonomia administrativa da CBTU-BH“.

O Sindimetro-MG, sindicato dos metroviários, informou que os trabalhadores estão reunidos, de forma online, para decidir se vão acatar a decisão e suspender o movimento grevista. “O objetivo da paralisação total fica prejudicado. Então, a categoria vai analisar se vai surtir o efeito desejado“.

Em live transmitida pelo Facebook no início da noite, direto da estação Lagoinha, Pablo Henrique, do Sindimetro-MG, disse que achava importante a categoria dar um sinal de boa fé, que a categoria quer negociar, que não é intransigente. “Nós estamos orientando na assembleia que estamos acatando a liminar cautelar da justiça” (…) “a gente acha importante entender que isso é uma parte de um movimento, não é nossa ação final, a gente vai ter aí muita luta pra frente, porque como dos sabem aí essa luta pela vacina é uma luta pela vida”.

Mais tarde, o mesmo discurso foi repetido com mais detalhes pelo presidente do Sindicato dos Metroviários de Minas Gerais (Sindimetro-MG), Romeu Machado.

https://fb.watch/5JfqGR8oGh/

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta