Motoristas de ônibus em Franca (SP) realizam paralisação na manhã desta sexta (30)

Transporte coletivo opera normalmente nesta tarde. Foto: Paulo Victor de Azevedo / Ônibus Brasil.

Serviço ficou interrompido por cerca de uma hora

WILLIAN MOREIRA

O serviço do transporte coletivo de Franca, no interior de São Paulo, permaneceu interrompido por cerca de uma hora na manhã desta sexta-feira, 30 de abril de 2021.

Os motoristas iniciaram o movimento por volta das 8h30 para chamar a atenção das autoridades para reivindicações que tratam do atraso no pagamento do salário, referente à segunda quinzena do mês.

De acordo com os funcionários do setor, o problema é recorrente. Após o fim do protesto, o atendimento retornou à normalidade.

OUTRO LADO

A empresa São José informou, em nota, que tem enfrentado dificuldades em bancar os custos da operação, dos salários e suas finanças estão afetadas devido à pandemia e à queda no número de passageiros transportados.

Confira a nota, na íntegra:

A concessionária São José ratifica o problema financeiro que tem a operação do sistema de transporte coletivo na cidade de Franca, quadro esse que se agravou desde o início da pandemia da Covid-19.

Ao longo dos meses, a transportadora tem protocolado junto à Prefeitura de Franca pedidos mensais de auxílio financeiro emergencial, além de subsídio que seja suficiente para cobrir o custo do passageiro transportado, assim como solicitação de recomposição do valor da tarifa, congelado há anos. Os pedidos ocorrem desde a gestão passada. O contrato de concessão prevê a revisão anual para recompor os custos e, dessa forma, manter a qualidade dos serviços, fazer os investimentos necessários e o pagamento dos compromissos com funcionários e fornecedores.

Durante esse tempo, para manter a operação na cidade, a concessionária teve, inclusive, a recorrer a empréstimos no mercado financeiro. Não poupou e não tem poupado esforços para manter os ônibus em circulação e, até agora, estava com o pagamento dos funcionários em dia.

Mas, como nenhuma medida foi tomada por parte do Poder Público para reequilibrar os custos, a São José passa por sérias dificuldades financeiras, as quais comprometeram o pagamento dos funcionários em dia.

Vale ressaltar que a atual demanda por transporte coletivo urbano em Franca é de apenas 30% do que era antes da pandemia e a receita advinda da venda de passagens, há anos, não é suficiente para cobrir os custos operacionais. No atual cenário, a operadora sequer consegue obter novas linhas de crédito e, até agora, os ônibus rodaram porque a empresa tem bancado com recursos próprios parte da operação.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta