Diário no Sul

Câmara Municipal recomenda à Prefeitura de Curitiba a concessão de passe livre para desempregados

Objetivo é facilitar a busca por um emprego. Foto: Paulo Gustavo/Ônibus Brasil.

Medida tem previsão de valer apenas durante o estado de emergência da pandemia de covid-19

WILLIAN MOREIRA

Em votação simbólica realizada nessa terça-feira, 27 de abril de 2021, os vereadores de Curitiba, no Paraná, aprovaram o envio de uma sugestão para a Prefeitura em que deve ser criado um “passe livre” no transporte coletivo para pessoas que estejam desempregadas e a procura de um trabalho.

A proposta determina que este benefício seria limitado a um certo período, enquanto durar o estado de emergência da pandemia de covid-19.

Segundo o parlamentar autor do projeto, será necessário apenas a Urbs fechar parceria com a Agência do Trabalhador e identificar os curitibanos que estejam em busca de uma recolocação no mercado de trabalho, concedendo o passe livre para facilitar a busca por um emprego.

TRANSPORTE POR APLICATIVO

Outra recomendação feita para a Urbs é de que a empresa obrigue as empresas de transporte por aplicativo que atuam na cidade a instalar em todos os seus veículos parceiros, uma barreira de acrílico separando os assentos da frente e os de trás, evitando a contaminação pelo coronavírus.

AMPLIAÇÃO DE FROTA

Outro vereador propôs também que a quantidade de ônibus na linha Trindade-321 seja ampliada, pois o trajeto aumentou e o número de pessoas também, tornando insuficiente as partidas diárias atuais.

As recomendações agora serão apreciadas pelo Poder Público de Curitiba, que pode ou não aplicar ou as medidas.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. João Luis Garcia disse:

    Os Exmos Srs Vereadores de Curitiba, estão a propor essa concessão de gratuidade ao trabalhador desempregado que é merecedor devido as dificuldades enfrentada pelos mesmos nesse momento de tamanha crise.
    Porém na matéria não é citado qual seria a fonte de custeio de mais essa nova concessão.
    Quem irá custear as viagens gratuitas dos trabalhadores ? O poder público ? Ou caberá mais uma vez as Concessionárias assumirem mais esse ônus ?

Deixe uma resposta para João Luis Garcia Cancelar resposta