Projeto utiliza energia solar para levar sinal de 4G a trechos de rodovias do estado de SP

Iniciativa é da operadora TIM, com o objetivo de garantir a rede de quarta geração em locais de difícil acesso 

JESSICA MARQUES

Um projeto da operadora de telefonia TIM está utilizando energia solar para levar sinal de 4G a trechos de difícil acesso de rodovias do estado de São Paulo.

Um dos primeiros trechos que começaram a funcionar recentemente está em Presidente Bernardes, na região Oeste do Estado, a 578 quilômetros da capital, que fornece cobertura 4G para parte da BR 374 (Rodovia Castelo Branco), no trecho entre as cidades de Presidente Prudente e Presidente Venceslau. O outro fica em General Salgado, a 80 quilômetros de Araçatuba, no Centro Oeste paulista, atendendo a SP 463.

Ao todo, serão 15 sites offgrids (como chamam estas estruturas alternativas) até o final de 2021. As duas primeiras são estas de São Paulo, que foram ativadas em parceria com a Highline, em fevereiro. Outros 13 sites off-grid também estão em fase de implementação nos estados de São Paulo (ainda com Highline) em Santa Catarina, Pará e Acre (em parceria com IHS e Winity).

A iniciativa faz parte do plano de expansão da rede 4G da TIM em todo o país, até 2023. Segundo a empresa, para locais onde não há estrutura de rede elétrica, a alternativa tem sido a construção de sites (antenas) com placas fotovoltaicas, para funcionarem por energia solar, apenas.

“Democratizar o acesso à conectividade é uma das prioridades da TIM, assim como a condução do negócio em linha com as melhores práticas ambientais, sociais e de governança. Por isso, a operadora está utilizando sites off-grid no projeto de expansão da sua cobertura 4G, que alcançará todos os municípios brasileiros até 2023. O objetivo é levar a rede de quarta geração a locais de difícil acesso e sem energia elétrica disponível, com a instalação de torres e antenas alimentadas por painéis solares”, informou a TIM, em nota.

Segundo a empresa, cada site do projeto tem sua própria geração de energia solar com painéis fotovoltaicos e utiliza ainda baterias de lítio, que garantem autonomia completa e mais capacidade para ciclos de carga e descarga, resultando em maior vida útil do equipamento. “Dessa forma, a operadora garante uma maior cobertura 4G com infraestrutura simplificada, de baixo impacto ambiental e menor custo”.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Marco Antônio da Silva disse:

    Esse tipo de investimento já era pra ter sido feito a muito tempo pelas operadoras, será que estão esperando entrar um governo mais chegado dos chineses para eles fazerem os investimentos necessários!!!

Deixe uma resposta