Em dois anos, Distrito Federal investe R$ 3,6 milhões para construir paradas de ônibus

Para 2021, a construção de novas 168 paradas está autorizada pela Semob, com algumas delas já iniciadas. Foto: Lúcio Bernardo Jr. / Agência Brasília.

Ao todo, foram instalados 271 abrigos no período

JESSICA MARQUES

Em dois anos, o Distrito Federal investiu R$ 3,6 milhões para construir paradas de ônibus. Desde 2019, foram construídos 271 abrigos nas 33 regiões administrativas.

Em nota, o governo informou que o objetivo é dar mais conforto para passageiros que não precisam mais esperar o coletivo debaixo de chuva ou sob o sol. Quem indica onde serão instaladas as novas paradas são as administrações regionais, que recebem pedidos dos moradores. “Também fazemos levantamentos próprios quando lançamos uma nova linha”, explicou o secretário de Transporte e Mobilidade, Valter Casimiro.

O número informado inclui a construção de novos abrigos e a reconstrução de paradas que tiveram que ser retiradas porque não havia mais condições de reformá-las. Valter Casimiro ressalta que, para a construção de um abrigo, deve haver um espaço de pelo menos três metros na beira da pista para comportar a estrutura.

Segundo a Semob (Secretaria de Transporte e Mobilidade do Distrito Federal), antes da pandemia, os ônibus do transporte público transportavam cerca de 1.250.000 passageiros em dias úteis. Atualmente, o sistema está transportando apenas 50% dos passageiros em um dia normal de operação.

CONSTRUÇÕES EM 2021

Para 2021, a construção de novas 168 paradas está autorizada pela Semob, algumas delas já iniciadas. Até o fim de 2022, o GDF vai investir R$ 8 milhões para a implantação de 425 novos abrigos, a reforma de 650 e substituição de 100. A viabilização das obras acontece de acordo com a disposição orçamentária.

Em Ceilândia, a Semob vai implantar 57 novos abrigos para passageiros de ônibus. As obras já começaram a ser feitas e três estruturas foram instaladas na avenida P3 do Setor P Sul, sendo uma na EQNP 8/12, bloco C, uma na EQNP 12/16, bloco G, e outra na EQNP 16/20, bloco C.

Outras duas regiões também receberam abrigos para passageiros esse ano. O Itapoã ganhou uma estrutura na quadra 367, em frente ao Condomínio Del Lago II. Já no Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte (Saan) foram instalados dois abrigos na Avenida Contorno, entre as quadras 1 e 2 e implantadas 11 novas placas de pontos de parada, para melhor orientar passageiros e motoristas.

Cidades como Samambaia, Riacho Fundo I, Vicente Pires, Paranoá, Planaltina, Sobradinho I, Sobradinho II, Estrutural, Cruzeiro e Taguatinga serão as próximas beneficiadas.

As paradas de concreto construídas pela Semob possuem estrutura que inclui acessibilidade para pessoas com deficiência (rampas de acesso e piso tátil), além de calçada nova e meio-fio.

MANUTENÇÃO

A Semob está contratando, por licitação, uma empresa para fazer a manutenção das paradas de ônibus no Distrito Federal, o que inclui serviços de troca de piso e de bancos, por exemplo.

Segundo a Semob, a manutenção das paradas é feita por uma parceria de diversos órgãos do governo comandadas pelo GDF Presente. Semanalmente, as equipes executam diversos serviços para manter a zeladoria das cidades, lavar e pintar as paradas de ônibus. Por iniciativa das administrações regionais, os abrigos recebem novas cores e desenhos feitos por artistas locais.

Em uma das passagens do Polo Central Adjacente II pelo Park Way, por exemplo, os trabalhadores reformaram vários pontos de ônibus na cidade e a baia do ponto de ônibus entre as quadras 23 e 24 ganhou asfalto o que agora impede que o coletivo espirre lama e terra nos passageiros que estavam no abrigo.

No Varjão, o GDF Presente ajudou a administração regional a mudar de lugar as paradas de ônibus na avenida principal da cidade, que agora é mão única. Cinco abrigos que ficam do lado esquerdo da via, que perderam o uso com a alteração de tráfego nas vias principais da cidade, foram levados para a nova Rua de Saída.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta