Ministério Público do Ceará propõe escalonamento dos setores econômicos para evitar aglomerações no transporte coletivo

Aglomeração em ônibus

Medida será proposta quando o Governo do Estado flexibilizar as restrições atualmente em prática, permitindo assim a retomada de outros setores da economia

WILLIAN MOREIRA

O MP-CE (Ministério Público do Estado do Ceará) em reunião realizada nesta sexta-feira, 9 de abril de 2021, com o Comitê Estadual de Enfrentamento à Pandemia do Coronavírus, MPF (Ministério Público Federal) e o Sindiônibus (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará) definiu a proposta de propor ao Governo do Estado de realizar um escalonamento da abertura e fechamento dos setores econômicos que devem em breve retomar suas atividades, e assim evitar lotação nos ônibus pelos municípios cearenses.

Com essa medida, é esperado espalhar o público usuário dos coletivos por diferentes horas do dia, ao invés de operar como no horário de pico, com todos indo geralmente na mesma direção ao mesmo tempo.

De acordo com o promotor de Justiça Eneas Romero, e a titular da 137ª Promotoria de Justiça de Fortaleza, promotora de Justiça Ana Cláudia Uchoa, será requisitado à prefeitura de Fortaleza e Governo do Ceará que as fiscalizações para o transporte coletivo sejam ampliadas para além de verificar se a recomendação será atendida, mas também orientar as pessoas sobre os cuidados que devem ser tomados na pandemia, especialmente para evitar as aglomerações em ônibus e terminais.

Caberá ao MPF e MP-CE garantir a continuidade do reforço de 200 veículos na frota da capital e uma possível ampliação deste número de ônibus em atendimento.

No encontro online entre os órgãos também foram abordadas outras questões como a média diária de passageiros, fluxo nos horários de pico e a possibilidade de limitar uma quantidade máxima de pessoas transportadas em cada viagem, além da manutenção de ônibus extras e organização das filas nos terminais para manter a distancia entre as pessoas.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta