Empresas do transporte rodoviário de passageiros realizam ações em apoio e suporte a vítimas da pandemia

Empresas Garcia e Brasil Sul colocaram suas linhas à disposição do Ministério da Saúde para o transporte gratuito de medicamentos e de insumos hospitalares a todos os destinos atendidos

Várias iniciativas realizadas por empresas de transporte regular associadas à ABRATI (Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros) espelham a solidariedade do setor  

ALEXANDRE PELEGI

As empresas que realizam o transporte rodoviário regular interestadual de passageiros se uniram para ajudar a população mais vulnerável a enfrentar as dificuldades provocadas pelos impactos da pandemia de Covid-19.

Um exemplo disto é o que estão fazendo as empresas afiliadas à ABRATI, entidade que reúne as principais companhias de ônibus de viagem do País.

Algumas ações, por exemplo, promovem o transporte gratuito de profissionais de saúde e de insumos hospitalares em diversas regiões.

A conselheira da associação Letícia Pineschi resume em uma frase qual o mote dessas iniciativas: “Estamos comprometidos com a vida”, afirma.

Letícia explica que a agilidade na locomoção de insumos e profissionais é uma forma de diminuir os impactos gerados pela pandemia. “As empresas estão focadas na oferta de socorro emergencial às pessoas, colocando seu potencial logístico a serviço de comunidades de todo o País.”

Os ônibus do grupo JCA, composto pelas Viações 1001, Cometa e Catarinense, já transportaram gratuitamente mais de 260 toneladas de doações, como alimentos e itens de higiene. Todos esses donativos foram encaminhados a 139 instituições de assistência e caridade e a comunidades das regiões Sul e Sudeste do País. Integrante do Ação Cidadania e do Mesa Brasil Sesc, os ônibus da 1001, Cometa e Catarinense percorreram mais de 6 mil quilômetros, numa ação que atendeu a 19 mil famílias brasileiras.

Já as empresas Garcia e Brasil Sul colocaram suas linhas à disposição do Ministério da Saúde para o transporte gratuito de medicamentos e de insumos hospitalares a todos os destinos atendidos. Além disso, fizeram a doação de um aparelho respirador ao Hospital Evangélico de Londrina e de mais de 15 mil máscaras de proteção individual aos Consórcios Intermunicipais de Saúde em 10 cidades do Estado do Paraná.

A tradicional empresa do Rio Grande do Sul, a Viação Ouro e Prata, doou todos os seus kit-lanches servidos a bordo para uma creche localizada em uma das áreas mais carentes de Porto Alegre (RS), na Ilha das Flores. O equipamento social atende regularmente 105 crianças.  Além disso, a Ouro e Prata está preparando marmitas para entregar para as famílias da região.

Empresa do Centro-Oeste do país, a Real Expresso participa da ação ‘Chapada Solidária’. Atua em uma rede que reúne instituições e colaboradores voluntários da Chapada dos Veadeiros, responsável pela doação de cestas básicas a comunidades carentes da região.

A Única Fácil, empresa com sede em Petrópolis, no Rio de Janeiro, doou 1,5 toneladas de alimentos para comunidades carentes da cidade de Itaipava (RJ).

Um evento com as comunidades das escolas de samba do Rio de Janeiro foi a ação realizada pelas empresas do Grupo Guanabara, UTIL, Sampaio e Brisa, cujo objetivo foi arrecadar alimentos para famílias carentes. Como resultado, foram transportadas de forma gratuita mais de 60 toneladas de alimentos a comunidades da capital Rio de Janeiro. Outras quatro toneladas de alimentos em cestas básicas foram doadas para a comunidade da Cidade de Deus.

A Águia Branca, no Espírito Santo, ajudou na criação de leitos de internação clínica para pacientes de Covid em hospitais públicos do Estado. A empresa capixaba aportou recursos financeiros para adquirir equipamentos hospitalares. A iniciativa, feita em parceria com a EDP e a Suzano, teve do Movimento Empresarial ES em Ação. Outro resultado: foram doados mais de dois mil equipamentos de proteção e um robô esterilizador para o laboratório do projeto.

A Águia Branca ainda realizou o transporte de mais de 10 mil profissionais de serviços essenciais (como hospitais e supermercados) durante o período em que os ônibus ficaram proibidos de operar no Espírito Santo. Além disso, transportou gratuitamente 150.000 máscaras e 30 respiradores para instituições de saúde do estado da Bahia e do Espírito Santo.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Jorge Villar disse:

    Enquanto isto o expresso urubu do parana fica dando presente pra busologo e cortesia para canais de youtube e outras midias sociais pra divulgar a empresa

Deixe uma resposta