ANTT realiza leilão da Ferrovia de Integração Oeste–Leste nesta quinta (08)

Critério de julgamento será o maior valor de outorga fixa. Foto: Divulgação / Ministério da Infraestrutura.

Trecho entre as cidades de Ilhéus e Caetité, na Bahia, possui 537 quilômetros de extensão e será subconcedido à iniciativa privada pelo prazo de 35 anos

JESSICA MARQUES

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) realiza nesta quinta-feira, 08 de abril de 2021, o leilão da subconcessão de trecho da Ferrovia EF-334/BA, conhecida como Fiol (Ferrovia de Integração Oeste–Leste).

A sessão pública está marcada para as 14h, na B3, em São Paulo, e poderá ser acompanhada pela TV B3, sem a necessidade de senha.

O trecho da Fiol, entre as cidades de Ilhéus e Caetité, na Bahia, possui 537 quilômetros de extensão e será subconcedido à iniciativa privada pelo prazo de 35 anos. Em nota, a ANTT ressaltou que trata-se de um importante corredor de escoamento de minério de ferro do sudoeste baiano, por meio do Porto de Ilhéus, e possibilitará o transporte de grãos do oeste baiano ao porto, a partir da futura concessão do Trecho II. O critério de julgamento será o maior valor de outorga fixa, cujo valor mínimo é de R$32,7 milhões. São previstos investimentos de R$ 5,4 bilhões.

“O vencedor do certame ficará responsável pela finalização do empreendimento e operação do trecho, em uma concessão que vai durar por 35 anos, totalizando R$ 3,3 bilhões de investimentos. Desse total, R$ 1,6 bilhão será utilizado para a conclusão das obras, que estão com 80% de execução. Além disso, a subconcessão da Fiol vai permitir a criação de 55 mil empregos diretos, indiretos e efeito-renda ao longo da concessão”, detalhou a ANTT.

Além disso, a ANTT e o Governo Federal também trabalham nos projetos para concessão dos outros dois trechos: a Fiol 2, entre Caetité (BA) e Barreiras (BA), com obras em andamento, e a Fiol 3, de Barreiras (BA) a Figueirópolis (TO), que aguarda licença de instalação por parte do Ibama. Um corredor de escoamento que terá um total de 1.527 quilômetros de trilhos, ligando o porto de Ilhéus, no litoral baiano, ao município de Figueirópolis (TO), ponto em que a Fiol se conectará com a Ferrovia Norte-Sul e o restante do país.

OPERAÇÃO

A expectativa da ANTT é de que o trecho 1 (Ilhéus-Caetité) comece a operar em 2025, já transportando, segundo estudos, mais de 18 milhões de toneladas de carga, entre grãos e, principalmente, o minério de ferro produzido na região de Caetité. Volume que vai mais que dobrar em 10 anos, superando 50 milhões de toneladas, em 2035 – sendo a maior parte, o minério de ferro. Entre as cargas também estão alimentos processados, cimento, combustíveis, soja em grão, farelo de soja, manufaturados, petroquímicos e outros minerais.

Esta operação inicial deve contar com pelo menos 16 locomotivas e mais de 1.400 vagões – pelo menos, 1.100 destinados apenas para o escoamento de minério de ferro. Montante que terá um incremento diante do aumento da demanda, chegando a 34 locomotivas e 2.600 vagões, dentro de dez anos. Além de Ilhéus e Caetité, um terceiro pátio será instalado no município de Brumado. O traçado da Fiol 1 atravessará as seguintes cidades baianas: Ilhéus, Uruçuca, Aureliano Leal, Ubaitaba, Gongogi, Itagibá, Itagi, Jequié, Manoel Vitorino, Mirante, Tanhaçu, Aracatu, Brumado, Livramento de Nossa Senhora, Lagoa Real, Rio do Antônio, Ibiassucê e Caetité.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. carlos souza disse:

    Longe da minha cidade(Rio Grande-RS),seus gângsters,corruptos,vagabundos,lavadores de dinheiro e chefes de quadrilha.Já temos quadrilhas demais,muitas delas disfarçadas de pessoas jurídicas,assim como em todo esse mundo imundo e criminoso.Os vigaristas daqui já bastam,também conhecidos como políticos,assim como nesse mundo podre e sem legitimidade nenhuma.

Deixe uma resposta