Zema anuncia onda roxa em Minas Gerais e toque de recolher das 20h às 05h

Governador disse que há risco de desatendimento

Governador, que antes era contra fechamentos, disse agora que isolamento é a única maneira de salvar vidas neste momento

ADAMO BAZANI

“Agora estamos começando a assistir cenas de horror, pessoas clamando pela vida e corremos o risco de não atender todas estas pessoas em nossas unidades de Saúde”

Foi assim que o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, anunciou em entrevista coletiva nesta terça-feira, 16 de março de 2021, a onda roxa, a mais restritiva, em todos os 853 municípios mineiros para conter o avanço da covid-19.

Zema disse que há hospitais e espaço, mas o maior problema é a falta de profissionais qualificados, todos esgotados e requeridos pelo alto número de pessoas que têm se contaminado.

“Não há outra alternativa. Há risco de pessoas morrerem nas ruas e isso nenhum mineiro quer isso” – continuou.

As medidas mais duras entram em vigor nesta quarta-feira, 17 de março de 2021, e vão durar por duas semanas.

Haverá um toque de recolher entre 20h e 05h e proibição de circulação de pessoas com sintomas gripais a não ser que estejam indo para o hospital.

Setores permitidos (atividades essenciais):

– transportes coletivos (ônibus, trens e metrôs),

– setor de Saúde, incluindo unidades hospitalares e de atendimento e consultórios;

– indústria, logística de montagem e de distribuição, e comércio de fármacos, farmácias, drogarias, óticas, materiais clínicos e hospitalares;

– hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, padarias, quitandas, centros de abastecimento de alimentos, lojas de conveniência, lanchonetes, de água mineral e de alimentos para animais;

– produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados;

– distribuidoras de gás;

– oficinas mecânicas, borracharias, autopeças, concessionárias e revendedoras de veículos automotores de qualquer natureza, inclusive as de máquinas agrícolas e afins;

– restaurantes em pontos ou postos de paradas nas rodovias;

– agências bancárias e similares;

– cadeia industrial de alimentos;

– agrossilvipastoris e agroindustriais;

– telecomunicação, internet, imprensa, tecnologia da informação e processamento de dados, tais como gestão, desenvolvimento, suporte e manutenção de hardware, software, hospedagem e conectividade;

– construção civil;

– setores industriais, desde que relacionados à cadeia produtiva de serviços e produtos essenciais;

– lavanderias;

– assistência veterinária e pet shops;

– transporte e entrega de cargas em geral;

– call center;

– locação de veículos de qualquer natureza, inclusive a de máquinas agrícolas e afins;

– assistência técnica em máquinas, equipamentos, instalações, edificações e atividades correlatas, tais como a de eletricista e bombeiro hidráulico;

– controle de pragas e de desinfecção de ambientes;

– atendimento e atuação em emergências ambientais;

– comércio atacadista e varejista de insumos para confecção de equipamentos de proteção individual – EPI e clínico-hospitalares, tais como tecidos, artefatos de tecidos e aviamento;

– de representação judicial e extrajudicial, assessoria e consultoria jurídicas;

– relacionados à contabilidade;

– serviços domésticos e de cuidadores e terapeutas;

– hotelaria, hospedagem, pousadas, motéis e congêneres para uso de trabalhadores de serviços essenciais, como residência ou local para isolamento em caso de suspeita ou confirmação de covid-19;

– atividades de ensino presencial referentes ao último período ou semestre dos cursos da área de saúde;

– transporte privado individual de passageiros, solicitado por aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede.

Setores proibidos

Todos os demais setores não podem funcionar neste período, como barbearia, salões de beleza, indústria que não faz parte da cadeia de serviços essenciais, clubes, academias, atividades esportivas em geral, eventos e atividades de grande aglomeração, escolas (aulas suspensas), escritórios de serviços não essenciais.

Entre as proibições estão:

– Restrição de circulação de pessoas (só permitido atividades essenciais)

– Toque de recolher das 20h às 5h e aos finais de semana

– Proibição de pessoas sem máscara em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado

– Proibição de circulação de pessoas com sintomas de gripe, a menos que estejam indo para consulta médica

– Proibição de eventos públicos ou privados

– Proibição de reuniões presenciais, inclusive entre parentes que não morem na mesma casa

– Implantação de barreiras sanitárias de vigilância

– Fechamento de bares e restaurantes (funcionamento apenas por delivery – entrega)

O governo também anunciou que pode fazer barreiras sanitárias com apoio da Polícia Militar.

Auxílio para setores afetados:

Na entrevista, Zema disse que a Secretaria de Fazenda vai estudar se poderá haver formas para compensar financeiramente as empresas, em especial as de pequeno porte, atingidas pelas restrições da onda roxa do programa Minas Consciente.

“Da mesma forma que ocorreu em 2020, está previsto, sim, para este momento difícil, algum tipo de compensação para aquelas pessoas e atividades que vierem a ser afetadas”, explicou.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. JOAO LUIS GARCIA disse:

    Até pouco tempo atrás esse Sr era endeusado por parte da população e da mídia, agora o que ocorreu ?
    DEMAGOGIA pura do mesmo

  2. carlos souza disse:

    E eles se dizendo liberais de raiz…secretário que passa à frente sem ser de grupo prioritário das ditas vacinas anti-covid,ministro ligado ao partido(Ricardo Salles,do Meio-Ambiente)envolvido em atos de improbidade administrativa,etc…se enfiaram nas idéias demófobas do Bozo,taí.Ph$dhew de vez.O mundo acabou mesmo.

Deixe uma resposta