Primeiro posto de acolhimento a mulheres em situação de violência do Corredor ABD começa a funcionar no Terminal São Mateus, em São Paulo

Terminal é gerenciado pela EMTU e administrado pela concessionária Metra. Foto: Adamo Bazani.

Atendimento teve início nesta segunda (15), para acolher, orientar e encaminhar passageiras vítimas de assédio e agressões

JESSICA MARQUES

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, um Posto de Acolhimento a Mulheres em Situação de Violência começou a funcionar no Terminal Metropolitano São Mateus, na capital paulista. O atendimento teve início nesta segunda-feira, 15 de março de 2021.

Este é o primeiro espaço com esta finalidade no Corredor Metropolitano ABD, via segregada de transporte por ônibus que conecta as regiões leste e sul da capital a quatro municípios do ABC ao longo de 45 quilômetros de extensão.

Conforme detalhado pela EMTU, no local, uma equipe composta por profissionais de nível superior que atuam nas áreas da Saúde e Assistência Social vão acolher e orientar mulheres vítimas de assédio e agressões nos casos de violência doméstica.

As passageiras serão encaminhadas às Unidades Básicas de Saúde, aos NPV – Núcleos de Prevenção à Violência e a equipamentos municipais como Delegacia de Defesa da Mulher, CDCM Casa Cidinha Kopckap e outros serviços, quando necessário.

O espaço, localizado na Plataforma D do terminal, realiza atendimento às segundas-feiras, das 9h às 12h. Localizado na Avenida Adélia Chohfi, 100, bairro Jardim Vera Cruz, na capital, o Terminal São Mateus recebe diariamente cerca de 200 mil passageiros. Passam pelo local três linhas metropolitanas e 28 municipais de São Paulo.

O terminal está localizado na Zona Leste de São Paulo, é gerenciado pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) e administrado pela concessionária Metra.

PROJETO

Segundo a EMTU, o serviço é parte fundamental do projeto Por Elas Pelo Olhar Ressignificamos, em que diversas entidades se reuniram para organizar ações de conscientização e apoio a mulheres vítimas da violência.

Os Postos de Acolhimento a Mulheres em Situação de Violência têm como objetivos definidos:

  • promover um espaço de acolhimento para mulheres em situação de violência;
  • proporcionar atendimento integral e humanizado;
  • contribuir para o fortalecimento das mulheres a fim de proporcionar o reconhecimento das situações de violências;
  • incentivar a busca dos direitos por meio da conscientização;
  • legitimar a legislação voltada a prevenção da violência;
  • compor uma linha de cuidados e prevenção à violência;
  • divulgar e encaminhar para os serviços da rede que compõe a Linha de Cuidado;
  • proporcionar apoio psicossocial e orientação sobre como proceder em casos de violações de direitos;
  • ampliar a divulgação para a população em geral sobre a importância de falar sobre o assunto;
  • fortalecer a mulher para reestabelecer o cuidado com a saúde mental e bem estar.

NÚMEROS

No Estado de São Paulo, o número de medidas protetivas concedidas pela Justiça para vítimas de violência doméstica tem aumentado nos últimos anos. De 2018 para 2020, houve crescimento de 73%, segundo dados do Tribunal de Justiça de São Paulo. O aspecto positivo é que cada vez mais mulheres se encorajam a pedir ajuda e romper o ciclo da violência.

PARCEIROS

Além da EMTU e da Metra, colaboraram no projeto Por Elas e na instalação do Posto de Acolhimento do Terminal São Mateus os seguintes parceiros:

STS- Supervisão de Saúde de São Mateus

Associação Comunitária e Beneficente “Pe. José Augusto Machado Moreira”

Fundação  do ABC

CAPS Álcool e Drogas de São Mateus

CAPS Adulto de São Mateus

Unidades Básicas de Saúde São Mateus

CDCM Casa Cidinha Kopckap

CPN – Centro de Práticas Naturais São Mateus

CAMPANHA

O Posto de Acolhimento de Mulheres em Situação de Violência do Terminal São Mateus faz parte de uma série de iniciativas do Governo do Estado no mês da mulher.

Outra atividade é a campanha do Tribunal de Justiça de São Paulo – #Rompa -, lançada no Dia Internacional da Mulher com o objetivo de estimular que as vítimas denunciem e procurem apoio para romper relacionamentos abusivos.

A EMTU também apoia essa campanha, inserindo cartazes e mensagens nas redes sociais, no VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) da Baixada Santista, nos ônibus e terminais metropolitanos.

Além disso, a campanha também é apoiada pela ViaQuatro e a ViaMobilidade, concessionárias responsáveis pela operação e manutenção das linhas 4-Amarela e 5-Lilás, respectivamente. O Metrô de São Paulo e a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) apoiam a iniciativa por meio da Secretaria dos Transportes Metropolitanos.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta