Depois de 154 anos, CPTM recebe a titularidade definitiva do terreno da Estação Brás

Secretário Alexandre Baldy (ao centro) recebe documentos de titularidade

Primeira matrícula foi emitida na época do Império; Com regularização, companhia quer realizar parcerias com a iniciativa privada

ADAMO BAZANI

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) informou nesta terça-feira, 09 de março de 2021, que recebeu de forma definitiva a titularidade do terreno da Estação Brás, a mais movimentada do sistema.

A posse ocorre após 154 anos e, segundo a estatal, vai possibilitar parcerias com a iniciativa privada, como por exemplo, novos modelos de exploração comercial e imobiliária do espaço em troca de investimentos em melhorias e modernização.

“Anteriormente, a matrícula do terreno foi emitida pelo Barão de Mauá durante o Império Brasileiro, precursor das estradas de ferro no Brasil. Com a regularização, a CPTM se beneficia em poder propor e realizar parcerias privadas que possibilitarão novas opções de comércio e serviços para os passageiros que utilizam a estação localizada na região central da capital paulista.” – informou a CPTM em nota.

Na mesma nota, o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disse que os investimentos na estação podem impactar toda a rede.

“Desta forma, continuamos cumprindo a nossa meta de trazer cada vez mais investimentos que garantam a qualidade de vida dos passageiros da CPTM. Investir na Estação Brás e olhar para o sistema como um todo, dada a importância do local na mobilidade diária dessas pessoas”, afirmou.

Segundo a CPTM, a estação Brás possui uma área de cerca de 23 mil metros quadrados e também abriga o Centro de Controle Operacional (CCO) da CPTM, que controla simultaneamente as sete linhas da companhia.

Pelo local passam as linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral e 12-Safira que fazem a interligação com a Linha 3-Vermelha do Metrô. O local é atendido ainda por diversas linhas de ônibus do sistema da capital paulista (SPTrans – São Paulo Transporte) e de ônibus metropolitanos (EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Na verdade o Brás era ponto final da linha que servia até o Rio de Janeiro, com outra denominação, ali na praça Agente Cícero, que muitos confundem com largo da Concórdia,…pouco sobrou daquela estação. Poucos sabem que ali também começou uma batalha para as reformas do que era da CBTU, em 1990, as 7:15 da manhã dentro do ramal leste, em que fui hostilizado por alguns passageiros, achando que era propósito eleitoreiro. Hoje, a realidade comprova a força que tive, em continuar, avançar, pela teimosia, mesmo caindo pelos barrancos, levando NÃOs de muita gente. O que mais me interessava era atenção do governo, que logo se prontificou em conversar com Presidente Itamar (registrado pela A VOZ do Brasil) e retomar as linhas federais para nosso estado, pelas mãos do Sr. Luiz Antonio Fleury Filho…

Deixe uma resposta