Câmara de Americana (SP) rejeita projeto para reduzir tarifa do transporte coletivo

Votação foi realizada nesta quinta (18). Foto: Reprodução / TV Câmara de Americana.

Vereadores aprovaram adiamento das medidas que obrigam os ônibus a circularem apenas com passageiros sentados

WILLIAN MOREIRA

Os vereadores de Americana, no interior de São Paulo, rejeitaram o projeto de decreto legislativo que tinha como finalidade derrubar o reajuste da tarifa do transporte coletivo de R$ 4 para R$ 4,70. A redução do valor foi descartada em votação nesta quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021.

Colocado em pauta em dezembro de 2019, pelo vereador Rafael Macris, o projeto tinha como objetivo revogar o aumento que tinha causado insatisfação dos passageiros na ocasião. Os parlamentares acabaram por rejeitar a medida por 16 votos contrários ao projeto e dois a favor.

Durante as manifestações dos vereadores, foi mencionada a atual situação do transporte na cidade, que é operado pela empresa Sancetur por meio de contrato emergencial. A companhia obteve a vitória da licitação atual de vigência por 15 anos, que previa um reajuste da passagem para R$ 5,70, algo que a gestão atual da prefeitura se manifestou contra.

FROTA E OPERAÇÃO DURANTE PANDEMIA

O vereador Gualter Amado citou a quantidade atual da frota em operação que é de 33 ônibus quando deveria ser mais que o dobro, cerca de 70 veículos, por conta da covid-19.

“A empresa teria manter um número de ônibus suficiente para atender a demanda, se tiver o número que pelo menos consta no contrato, estaria cobrindo a demanda. É uma vergonha hoje a empresa com 33 ônibus e no contrato ser próximo de 70. Isto é ridículo para a cidade de Americana e o pior de tudo é que o poder público não fez nada”, disse o parlamentar.

Também foi debatido e aprovado de forma unânime, o adiamento pelo prazo de 15 dias da medida que determinaria a circulação dos ônibus apenas com passageiros sentados durante a pandemia para evitar a transmissão do coronavírus. Neste tempo seria discutido a decisão da licitação atual completada e o valor atual da tarifa, já que o projeto de nº 05/21 poderia atrapalhar essa discussão.

Ainda foi pedido também por Gualter Amado para anular a licitação vencida pela Sancetur e adiar a nova licitação para um período pós-pandemia, já que essa época acabaria por afastar inclusive, empresas interessadas em atuar com parte ou em sua totalidade de linhas do transporte municipal.

O Diário do Transporte aguarda um posicionamento da empresa sobre os temas mencionados pelos parlamentares.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Silvia Calçada disse:

    Sempre juntos para prejudicar o povo

  2. Eliane disse:

    Deveria por onibus igual está no papel la no terminal de fim de semana ,pq la mostra uma coisa mas de fato nao acontece os onibus que iniciariam as 05:00da manhã nunca passou é um abrsurdo esse transporte. E a gente ser obrigado a pagar mais de 20 reais pra pider trabalhar no domingo de uber.É uma vergonha elea so se preocupam essa empresa em aumentar a tarifa alguém precisa mesmo fiscalizar melhor.

  3. Marina Lima Freitas disse:

    Não tem ônibus vem lotado todos os dias agente fica 1 hora e meia esperando o ônibus porque tiram vários ônibus eu pego ônibus eu seio que humilhação que passamos eu saio do serviço as 17.00 horas chego em casa a 19.00 horas porque não tem ônibus querem aumentar isso é pouca vergonha nos trabalhadores somos humilhados todos os dia outra coisa eu entro no serviço as 08.00 tenho de pegar o ônibus 06.25 porque não tem ônibus só depois as 07.35

  4. Marina Lima Freitas disse:

    Sr prefeito ajuda população com transporte público

Deixe uma resposta