Vendas de ônibus em janeiro registram queda de 38% em relação ao primeiro mês do ano passado, diz Fenabrave

Emplacamentos no início de 2020 superaram o começo de 2021

Já no comparativo com dezembro de 2020, as perdas foram de 14,64%

ADAMO BAZANI

O ano de 2021 não começa nada bem em relação ao mercado de ônibus no Brasil.

De acordo com o balanço oficial divulgado nesta terça-feira, 02 de fevereiro de 2021, janeiro deste ano encerrou com queda de 38,65% em relação a janeiro de 2020.

Foram 1.324 unidades emplacadas em janeiro de 2021 ante 2.158 ônibus no primeiro mês do ano passado, quando ainda a pandemia de covid-19 não era reconhecida ainda no Brasil pelo Ministério da Saúde, o que ocorreu em março, muito embora, haja a suspeita de que o novo coronavírus já pudesse estar circulando no País.

Na comparação com dezembro de 2020, quando já havia os impactos da covid-19 na economia, a queda nas vendas de ônibus vai para 14,64%.

Habitualmente, o mês de janeiro tem vendas menores que dezembro por causa do calendário de férias.

Em dezembro, o volume de vendas foi de 1.551 unidades para o mercado interno.

MARCAS:

O ranking das marcas praticamente teve poucas alterações em janeiro.

Mercedes-Benz, Volkswagen Caminhões & Ônibus e Marcopolo (por causa dos miniônibus Volare, que são vendidos montados), assumem as três primeiras posições respectivamente.

Fabricante     –       Quantidade            Participação no mercado

1º M.BENZ               683                                     51,59%

2º VW/MAN            257                                     19,41%

3º MARCOPOLO      171                                     12,92%

4º IVECO                   150                                     11,33%

5º VOLVO                   50                                        3,78%

6º SCANIA                   08                                        0,60%

7º AGRALE                  04                                         0,30%

8º BYD                           01                                         0,08%

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta