BHTrans tem novo presidente

Diogo Prosdocimi assumiu o cargo por indicação feita pela Assembleia Geral Extraordinária dos Acionistas. Foto: Divulgação.

Principal desafio será investigação sobre compra antecipada de vale-transporte

JESSICA MARQUES

A BHTrans, que gerencia o transporte coletivo municipal de Belo Horizonte, em Minas Gerais, anunciou o nome do novo presidente nesta segunda-feira, 04 de janeiro de 2021.

De acordo com a Prefeitura, Diogo Prosdocimi foi confirmado pelo conselho de administração para o cargo. A indicação foi feita pela Assembleia Geral Extraordinária dos Acionistas.

Confira o currículo do novo presidente, divulgado pela BHTrans:

Diogo Prosdocimi é doutorando em análise de políticas públicas pela RAND Corporation dos EUA, mestre em políticas públicas pela Universidade da Califórnia, Berkeley, e possui graduação em matemática pela UFMG e administração pública pela Fundação João Pinheiro.

Desde 2019 Diogo exerce o cargo de coordenador do programa de concessões e parcerias público privadas na PBH Ativos. Foi subsecretário de Transportes e Mobilidade do Governo do Estado de Minas Gerais (2011-2014 e 2019), tendo atuado na regulação e gestão de contratos de ônibus e taxi da Região Metropolitana de Belo Horizonte e na implantação dos terminais metropolitanos de integração com o BRT, entre outros projetos.

Foi diretor da Trem Metropolitano S/A e coordenou a elaboração dos projetos de engenharia para reformulação da linha existente e de construção das linhas 2 e 3 do metrô de Belo Horizonte.

DESAFIO

O principal desafio de Prosdocimi será a investigação sobre a compra antecipada de vale-transporte na cidade. A antecipação semanal de até R$ 4 milhões é realizada para amenizar prejuízos causados pela pandemia de Covid-19.

Relembre:

Belo Horizonte vai pagar antecipação semanal às empresas de ônibus para reduzir efeitos econômicos da covid no transporte

A medida está sendo investigada pelo Ministério Público de Contas. O órgão questiona a justificativa dada pela Prefeitura desde o início das tratativas para que a medida entrasse em vigor.

Assim, o procurador Glaydson Massaria solicitou à Prefeitura documentos que contenham cálculos, estudos técnicos e relatórios de auditoria, provando a necessidade da medida.

Entretanto, o documento enviado mostra dados que indicam queda na demanda, mas não evidenciam prejuízo financeiro. Assim, Massaria considerou relevante a abertura da investigação.

Na visão do procurador, o documento da Prefeitura revela que “consequentemente, o volume de receitas geradas, considerando a proporção da redução de passageiros transportados, provavelmente não será condizente com os custos necessários à operação, gerando provavelmente menor disponibilidade no fluxo de caixa das concessionárias”.

Contudo, o órgão de contas busca uma justificativa mais sólida para respaldar os repasses que, na prática, podem chegar a R$ 54 milhões.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Daniel Guerra disse:

    Kalil indicar Diogo Prosdocimi para selar a caixa preta da BHTrans, sendo ele um aspone do lobby das empresas de ônibus apadrinhado pelo Presidente do DER-MG Fabricio Sampaio não me surpreende, mas indicar um apoiador fervoroso do João Leite, que inclusive fez campanha contra o Kalil na primeira eleição da PBH… Kalilzão da massa tá perdoando tudo hein?

  2. Daniel disse:

    Kalil indicar Diogo Prosdocimi para selar a caixa preta da BHTrans, sendo ele um aspone do lobby das empresas de ônibus apadrinhado pelo Presidente do DER-MG Fabricio Sampaio não me surpreende, mas indicar um apoiador fervoroso do João Leite, que inclusive fez campanha contra o Kalil na primeira eleição da PBH… Kalilzão da massa tá perdoando tudo hein?

Deixe uma resposta para Daniel Guerra Cancelar resposta