ÁUDIO: Governo do Estado debate com prefeituras bilhetagem de transportes unificada na Grande São Paulo, diz Baldy

Ônibus municipais em Osasco. Foto: Willian Barbosa / Ônibus Brasil.

Secretário citou tecnologia QR Code e exemplo entre ônibus municipais de Osasco e São Paulo com a CPTM

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

O governo do Estado de São Paulo passou a debater com algumas prefeituras da Grande São Paulo a possibilidade do desenvolvimento de uma bilhetagem eletrônica de transportes públicos que pode ser usada tanto em ônibus municipais, ônibus do sistema SPTrans da capital paulista, ônibus metropolitanos gerenciados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), Metrô e CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

A declaração é do secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, em resposta aos questionamentos do Diário do Transporte durante evento de entrega de mais um trem novo para linha 13-Jade da CPTM na manhã desta quinta-feira, 19 de novembro de 2020.

Segundo Baldy, uma das tecnologias considerada para a concretização do modelo é o QR Code já testada em parte dos sistemas metropolitanos.

“O governo do Estado tem desenvolvido e hoje está em regime de testes um bilhete eletrônico há mais de um ano que é com sistema QR Code, um sistema que é utilizado na China [por exemplo] que é de alta escala e de alta capacidade, como assim é lá usado no transporte público” – afirmou.

Baldy disse que as conversas com as cidades já começaram e citou o exemplo de trajetos que contemplem ônibus municipais de São Paulo, Osasco e trens da CPTM.

“O debate tem se colocado com a prefeitura de São Paulo e com as 38 demais prefeituras da região metropolitana de São Paulo, assim como as outras regiões, que é nossa intenção. Levar soluções de mobilidade para o cidadão, um bilhete que possa ser integrado. Por exemplo, um cidadão que toma um ônibus municipal na cidade de Osasco que possa se integrar com a linha 8 – Diamante da CPTM e possa também dentro da cidade de São Paulo interagir com o mesmo modelo de bilhetagem com o sistema municipal de ônibus. Esse é nosso intuito, esse é nosso desejo e essa discussão começou com as prefeituras.” – disse Baldy.

Ouça:

Com uma bilhetagem unificada, o que apesar dos diálogos anunciados pelo secretário da gestão Doria, ainda está longe de virar realidade, será possível uma reestruturação nas redes ônibus municipais e metropolitanos sem tantos impactos negativos aos usuários.

Atualmente, quando uma linha da EMTU (metropolitana) é cortada, o passageiro na maior parte das vezes precisa fazer deslocamentos mais demorados e caros já que não há integração entre as linhas metropolitanas e as municipais na capital e cidades da Grande São Paulo, com algumas exceções.

No mesmo evento, também em resposta ao Diário do Transporte, Baldy disse que em 2021 haverá reformulação das frotas de ônibus municipais da capital paulista, gerenciados pela SPTrans (São Paulo Transporte) e dos ônibus metropolitanos da Grande São Paulo, gerenciados pela EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) passarão por um redesenho, com alterações.

Com isso, deve haver mudanças nas linhas de ônibus de ambos os sistemas.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/11/19/audio-em-2021-frota-de-onibus-municipais-sptrans-e-de-onibus-metropolitanos-emtu-sera-redesenhada-diz-baldy/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rodrigo Zika disse:

    Que absurdo, mesmo sendo o mesmo partido nunca unificaram, deveria ser apenas um BU pra usar no estado todo e ate interior e litoral via EMTU, políticos jurássicos nunca aprendem.

  2. Raphael disse:

    Esse é um dos grandes desafios que a Grande SP tem a fazer em relação à integração dos moldais da região metropolitana, com apenas um único bilhete.

Deixe uma resposta