Rodoviários iniciam greve em Natal nesta sexta-feira (23) após audiência com empresas fracassar

Ônibus em Natal (RN). Foto: Junior Mendes / Ônibus Brasil

Por decisão da desembargadora Maria do Perpetuo Socorro Wanderley o transporte coletivo na capital potiguar deve circular com 40% da frota dos 75% atuais em circulação

ALEXANDRE PELEGI

Os rodoviários de Natal, capital do Rio Grande do Norte, decidiram iniciar greve nesta sexta-feira, 23 de outubro de 2020.

A decisão foi comunicada pelo secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do RN (Sintro/RN), Arnaldo Dias, por meio de live pelo facebook oficial da entidade.

De acordo com a declaração, a categoria não chegou a acordo com os empresários de ônibus após a audiência realizada nesta quinta-feira (22).

Decisão da desembargadora Maria do Perpetuo Socorro Wanderley estipula que o transporte coletivo na capital potiguar deve circular com 40% da frota de 75% em circulação.

A audiência teve a participação do Ministério Público do Trabalho, e o objetivo foi debater o vale refeição que beneficia os trabalhadores.

O sindicato dos rodoviários propôs percentual de 65% para o vale refeição, que representa valor fixo de R$ 204, mais o pagamento do plano de saúde. Isso depois de começar a audiência reivindicando 75% como percentual para o VR.

Sem contraproposta, os empresários pediram que a audiência fosse adiada para o dia 29 e a greve fosse suspensa nesse período, o que não foi aceito pelos trabalhadores.

Os trabalhadores haviam ainda sugerido ainda discutir as questões salariais, reajustes e retroativo somente para janeiro do próximo ano.

Segundo o secretário do Sintro, esta seria uma proposta inicial para o trabalhador voltar a receber.

A audiência não chegou a termo algum, uma vez que as empresas não acataram o acordo proposto pelos rodoviários, e sequer fizeram contraproposta.

Com o fracasso do encontro, a greve está mantida para esta sexta-feira (23).

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta