Reforma do corredor de ônibus e da avenida Santo Amaro fica R$ 3,9 milhões mais cara com novo aditivo

Ônibus na região de Santo Amaro - Imagem é meramente ilustrativa

Requalificação na zona Sul da capital paulista deveria ter sido concluída em 2018. Foram sete aditivos até agora de um contrato assinado em 2016

ADAMO BAZANI

Os projetos executivos e a execução das obras de requalificação da Avenida Santo Amaro e a reforma do Corredor de Ônibus Santo Amaro, no trecho da Avenida Presidente Juscelino Kubitschek até Avenida dos Bandeirantes, vão ficar R$ 3,9 milhões (R$ 3.976.064,34) mais caros.

A Secretaria de Infraestrutura e Obras publicou oficialmente nesta quinta-feira, 22 de outubro de 2020, mais um aditamento do contrato em favor do Consórcio Souza Compec / Coplan.

Como já mostrou o Diário do Transporte, esta obra deveria ter sido concluída em 2018 e a contratação ocorreu em 19 de maio de 2016 pelo valor inicial de R$ 58,69 milhões (R$ 58.699.504,35). – Veja abaixo.

Com esse novo aditamento, o sétimo do contrato, de acordo com a publicação oficial desta quinta-feira, o valor do empreendimento passa de R$ 58,6 milhões (R$ 58.699.504,35) para R$ 62,6 milhões (R$ 62.675.568,69).

No despacho, a secretaria destaca que o acréscimo “representa um percentual acumulado de aumento de valor de 6,77% em relação ao valor inicial contratado, respeitando-se o disposto no Acórdão nº 749/2010 – TCU (Tribunal de Contas da União)”.

Ainda de acordo com a publicação, os “recursos adicionais ao contrato serão suportados com recursos do exercício financeiro de 2021 da Operação Urbana Consorciada Faria Lima – OUCFL, e que os recursos já empenhados em 2020 são suficientes, neste momento, para o andamento das obras e serviços, não sendo necessário neste momento o complemento de empenho de recursos financeiros.”

HISTÓRICO DE VÁRIOS ADITIVOS:

O aditamento publicado em 22 de outubro de 2020 é o sétimo desde 2016 e a conclusão das obras que deveria ter ocorrido em 2018 ainda não aconteceu.

O Diário do Transporte mostrou que em 30 de junho de 2020 foi oficializado o sexto aditivo firmado com o consórcio formado pela Souza Compec Engenharia e Construções Ltda e Coplan Construtora Planalto Ltda.

A contratação ocorreu em 19 de maio de 2016 pelo valor inicial de R$ 58,69 milhões (R$ 58.699.504,35). No aditivo de 22 de outubro de 2020, a contração foi reajustada para R$ 62,6 milhões (R$ 62.675.568,69).

No despacho na ocasião, a secretaria de Infraestrutura e Obras destacou que o acréscimo “representa um percentual acumulado de aumento de valor de 6,77% em relação ao valor inicial contratado, respeitando-se o disposto no Acórdão nº 749/2010 – TCU (Tribunal de Contas da União)”.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/06/30/prefeitura-de-sao-paulo-prorroga-em-mais-um-ano-reforma-de-corredor-de-onibus-que-deveria-estar-pronta-em-2018/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Roberson disse:

    A culpa é do PT? Doria e Bruninho nunca investiram em corredores de ônibus e ainda fizeram de tudo para eliminar os patinetes e as bicicletas da yellow, para dar brecha as bike da Uber,Itaú é Bradesco e os grandes empresários de ônibus

    1. Elizete Lee disse:

      E nesse projeto não há corredores de bicicletas. Os carros ainda são a prioridade desses caras.

  2. Elizete Lee disse:

    Será que vou viver para ver essa obra concluída?? Que Prefeitura mais incompetente é essa?? E a maioria da população ainda continua votando nessas mesmas criaturas do mal. Acorda povo, quando o assunto é melhoria pra maioria, não sai do papel.

Deixe uma resposta