EMTU abre licitação para contratação de auditoria externa de demonstrações financeiras

Artesp assumirá as funções da EMTU, extinta após aprovação da Alesp.

Trabalho pode resultar em mudanças de controles internos das contas da estatal; Doria insiste em projeto que quer extinguir a empresa

ADAMO BAZANI

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos abriu licitação para contratar uma auditoria externa e independente para avaliar as demonstrações financeiras e as demonstrações relativas ao balanço social da companhia pública.

O aviso de concorrência foi publicado oficialmente nesta quinta-feira, 08 de outubro de 2020, e a data de sessão pública para recebimento de propostas foi marcada para o dia 22 de outubro.

De acordo com a publicação, os trabalhos envolvem “a revisão dos controles internos, assim como auditorias especiais”.

O edital vai ser publicado no site da EMTU.

A contratação de auditorias é procedimento habitual em empresas estatais.

No fim do ano passado, por exemplo, o Diário do Transporte noticiou o processo de licitação de uma auditoria nas contas da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2019/11/08/cptm-inabilita-empresas-e-retoma-licitacao-para-auditoria-de-contas-da-estatal/

DORIA INSISTE EM PROJETO QUE EXTINGUE EMPRESA:

Ainda está em tramitação na Alesp – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo o PL – Projeto de Lei 529 de autoria do governador João Doria que propõe um ajuste fiscal nas contas públicas.

Entre os pontos do extenso projeto que mais levantam polêmica está a extinção de onze empresas, fundações ou autarquias públicas; inclusive a EMTU, que gerencia os ônibus intermunicipais nas cinco regiões metropolitanas do Estado (Grande São Paulo, Campinas, Sorocaba, Litoral Norte/Vale do Paraíba, Baixada Santista), o corredor de ônibus e trólebus ABD (entre o ABC Paulista e a capital, operado pela Metra – Setti & Braga), o VLT – Veículo Leve sobre Trilhos do litoral sul (entre Santos e São Vicente, operado pela BR Mobilidade – Constantino de Oliveira), o serviço Ligado (vans para pessoas com deficiência), a ponte ORCA – Operador Regional Coletivo Autônomo, a RTO – Reserva Técnica Operacional (miniônibus e vans na Grande São Paulo), os ônibus de fretamento nas regiões metropolitanas, entre outras.

A empresa está sob STM – Secretaria de Transportes Metropolitanos, comandada por Alexandre Baldy, e que também reúne a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, o Metrô de São Paulo e a EFCJ – Estrada de Ferro Campos do Jordão.

A alegação da gestão Doria é que é necessário cortar custos frente a uma estimativa de déficit de R$ 10,4 bilhões somente em 2021, enxugar a máquina pública  e que as funções das empresas que seriam extintas poderiam ser assumidas por outras estruturas já existentes.

No caso da EMTU, o governador passaria as atribuições para a Artesp – Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo, que atualmente gerencia as concessões de rodovias e os serviços de ônibus intermunicipais rodoviários e suburbanos.

A agência está sob a Secretaria de Governo comandada pelo vice-governador, Rodrigo Garcia.

Especialistas criticam a transferência ao afirmarem que, além de a Artesp não ter experiência em transportes metropolitanos, que são diferentes dos rodoviários intermunicipais e suburbanos, a agência é de regulação e não de gerenciamento.

Desde a semana retrasada o PL está em debate na Alesp e o governo não conseguiu ainda a quantidade mínima necessária para aprovação.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Ivanka Tirbic disse:

    Boa tarde. Esse contrato ė renovado a cada ano. Durante o período permitido (5anos) ele recebe aditivos. Findo este prazo, inicia-se uma nova licitação, que culminará em novo contrato. Ė obrigatório para todas as empresas.

    1. diariodotransporte disse:

      Sim, colocamos até o exemplo da CPTM

  2. Roston Gomes disse:

    Na Grande Sao Paulo a SOLUCAO das Linhas Metropolitanas devem ser assumidas (atraves de Convenio) pela Sptrans (esta empresa opera bem) operando os 2 sistemas abre varios lekes de novas Integracoes com os Cartoes e alocacoes de novas Linhas

Deixe uma resposta para Ivanka Tirbic Cancelar resposta