ÁUDIO: Mercedes-Benz apresenta nova linha 4.0 de produção de ônibus para o Brasil

Publicado em: 28 de setembro de 2020

Tempo de produção caiu seguindo MBB

Matéria publicada originalmente pelo Diário do Transporte na segunda-feira, 28 de setembro de 2020, às 10h51 e ampliada às 11h50

O processo de montagem é em “ Y”, ou seja, com duas entradas diferentes, uma para a linha O500 (de motor traseiro) e outra para a linha LO (micros) e OF (mídis e convencionais de motor dianteiro)

ADAMO BAZANI

Colaborou Willian Moreira

A Mercedes-Benz apresentou na manhã desta segunda-feira, 28 de setembro de 2020, uma nova linha de chassis de ônibus pelo conceito de indústria 4.0.

A montadora completa 64 anos de atuação no Brasil nesta segunda-feira e diz ter investido R$ 107 milhões para o que considera nova fábrica de ônibus na planta de São Bernardo do Campo. O projeto começou em 2015.

A Mercedes-Benz diz ainda que a nova linha, dividida entre rodoviários e urbanos, está ao menos 20% mais eficiente do ponto de vista logístico. O tempo de produção de um ônibus caiu 12% e o tempo de entrega de cada peça está 40% menor, pelo fato de os armazéns estarem dentro da fábrica e pelo controle maior dos processos.

“Com essa nossa fábrica 4.0, reduzimos nosso tempo de produção em 12%. Ganhamos 20% de eficiência em logística. Aumentamos as entregas diretas de peças na linha de 20 para 45%, isso porque os armazéns estão dentro da fábrica, muito mais próximos. Se antes precisávamos guardar peças por sete dias, o tempo esse tempo de armazenagem é menor, cinco dias no máximo de armazenagem, o que demonstra como estamos mais ágeis. Tudo isso se traduz em agilidade, eficiência e produtividade, o que é mais importante, os nossos ônibus chegarão mais rápido nas operações dos clientes e evidentemente nas ruas e estradas para atender a população.” – disse o diretor de ônibus da Mercedes-Benz, Sérgio Magalhães.

Ouça:

A estimativa é que em algum momento, após a pandemia de Covid-19, já que as peças e insumos estão mais caros, a indústria 4.0 possa reduzir o preço dos ônibus e caminhões, segundo vice-presidente de vendas e marketing de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, Roberto Leoncini, em resposta ao Diário do Transporte que participou da apresentação virutal.

“Evidente que por trás de tudo isso tem um ganho de produtividade que gostaríamos demais de transferir para nossos clientes. Todo mundo sabe o que ta acontecendo hoje e, infelizmente, a gente passa por um momento que recebe constantemente, agora mais nos últimos dois meses, pressões de custos por parte de nossos fornecedores, aço, plástico, borracha, etc. Então em algum momento quando as coisas estiverem estabilizadas, com certeza a industria 4.0 vai possibilitar que nossos produtos tanto caminhões como ônibus sejam ainda mais competitivos, eles já são hoje, mas vão se tornar mais competitivos quando a gente falar em relação a preço”

Ouça:

A linha foi concebida inicialmente em 3D.

O diretor industrial da Mercedes, Ricardo Boccioardi, disse que a linha de produção é em “Y”, ou seja, com duas entradas diferentes, uma para a linha O500 (de motor traseiro) e outra para a linha LO (micros) e OF (mídis e convencionais de motor dianteiro).

Ambas se encontram para a finalização.

Segundo os técnicos, na apresentação, a nova linha tem controle de todas as etapas de produção “on line”, inclusive por tabletes e celulares, e conta com carrinhos automatizados modernizados (AGVs) que levam as partes dos chassis para cada parte da produção.

O diretor de Vendas e Marketing Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, Walter Barbosa, disse que em breve, os compradores de ônibus poderão acompanhar individualmente a produção de seu veículo encomendado.

São duas mil variantes de ônibus de diferentes configurações tanto para modelos urbanos e rodoviários, fazendo com que toda a concepção da nova linha fosse pensada na flexibilidade, segundo a fabricante.

É a primeira linha de produção de ônibus 4.0 do Brasil e a primeira do Grupo Daimler em todo o mundo.

A fábrica já está pronta para fabricar ônibus de novas tecnologias que devem ser apresentadas em breve, inclusive para menores emissões.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta