Proposta de Campo Grande (MS) para Corredores de Ônibus com Faixa Exclusiva é selecionada no Programa Avançar Cidades com verba de R$ 91 milhões

Publicado em: 13 de agosto de 2020

Foto: Divulgação

Entre os projetos, estão as obras complementares financiadas PAC Mobilidade e que já estão em andamento na capital sul-mato-grossense

ALEXANDRE PELEGI

Proposta da prefeitura de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, foi selecionada no Programa Avançar Cidades – Mobilidade Urbana (Grupo 02).

A Prefeitura apresentou a proposta no âmbito do Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pró-Transporte), que utiliza recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), Setor Público.

Conforme publicado da edição do Diário Oficial da União desta quinta-feira, 13 de agosto de 2020, os recursos somam R$ 91.334.232,00.

O agente financeiro será a Caixa Econômica Federal.



Na mesma edição do DOU desta quinta-feira, o Ministério do Desenvolvimento Regional selecionou outras duas propostas de prefeituras somando R$ 17,6 milhões.

Novo Santo Antônio, no Piauí, e Goiatuba, em Goiás, aportarão recursos pela Caixa Econômica Federal para Obras de Qualificação Viária e Elaboração de Estudos e Projetos.



Como mostrou o Diário do Transporte, as tratativas para captação desse financiamento começarem em junho de 2018, quando o prefeito Marquinhos Trad se reuniu com o então ministro da secretaria de Governo na gestão Temer, Carlos Marun, para conseguir apoio aos projetos. Relembre: Campo Grande tenta R$ 100 milhões do Governo Federal para obras de mobilidade urbana

Entre os projetos, estão as obras complementares financiadas pelo PAC Mobilidade e que já estão em andamento na capital sul-mato-grossense como o corredor sudoeste, que abrange as ruas Guia Lopes e Brilhante e as avenidas Marechal Deodoro e Bandeirantes, no trecho entre o Amambai e o Aero Rancho. Além disso, parte dos recursos pode ser usada para requalificar vias da região central.

Para as obras de recapeamento de vias servidas por transporte coletivo, que inclui sinalização, acessibilidade e drenagem pluvial, o valor solicitado é de R$ 16,6 milhões.

Entre as vias que foram incluídas no pedido da prefeitura estão as avenidas Cônsul Assaf Trad e Coronel Antonino e as ruas 25 de Dezembro, Alegrete e rua Rui Barbosa.

A maior parte dos recursos pedidos, porém, é para corredores de ônibus, em torno de R$ 73,9 milhões, como contrapartida da prefeitura no valor de R$ 3,6 milhões.

Já para o projeto de construção de 30 quilômetros de ciclovias, a prefeitura pede R$ 8,8 milhões.

OUTROS INVESTIMENTOS

Como o Diário do Transporte noticiou em 20 de julho passado, a prefeitura de Campo Grande lançou Aviso de Licitação Concorrência para o Corredor Exclusivo Sudoeste Avenida Marechal Deodoro, trecho Terminal Aero Rancho/Terminal Bandeirantes. Relembre: Campo Grande (MS) lança licitação para trechos do Corredor Exclusivo Sudoeste

A execução da obra está prevista no programa Mobilidade Grandes Cidades – PAC 2.

O corredor do Sudoeste do Transporte Coletivo abrange uma extensão de pouco mais de 12 quilômetros. O terceiro trecho, da Avenida Bandeirantes, tem 3.890 km.

A prefeitura informa que ao cumprir o Plano Diretor de Transporte e Mobilidade, exigência da Política Nacional de Mobilidade Urbana, está garantindo o empréstimo de R$ 120 milhões firmado com a Caixa Econômica Federal (CEF) em 2012, quando começou o Plano de Corredores exclusivo de ônibus.

Por ele, a prefeitura se comprometeu a implantar 69 quilômetros de corredores de ônibus, com estações de pré-embarque, com o objetivo de melhorar a qualidade do transporte coletivo de Campo Grande.

O serviço é utilizado diariamente por 140 mil pessoas.

Para implantar os corredores sudoeste, sul e norte a prefeitura contratou o empréstimo junto à CEF, que prevê a execução de obras de drenagem, de recapeamento e sinalização.

Segundo dados da prefeitura, já foram investidos R$ 30 milhões nas obras executadas em três vias que integram os corredores sudoeste (Guia Lopes/ Brilhante e Bandeirantes) e Norte (a Rua Bahia).

AVANÇAR CIDADES

O programa Avançar Cidades é um projeto do governo federal, lançado em 2017, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Regional, que atua na área de saneamento e mobilidade urbana.

O objetivo do projeto é obter uma melhor circulação de pessoas nos espaços urbanos, trabalhando na qualificação de espaços, vias e transporte no âmbito das cidades.

Os recursos disponibilizados para o Avançar Cidades – Mobilidade Urbana são de financiamento, oriundos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), conforme o previsto no Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pró-Transporte).

A taxa nominal de juros das operações de empréstimo do Pró-Transporte é de 6% ao ano, podendo ser acrescida taxa diferencial de até 2% e taxa de risco de crédito de até 1%. O prazo para pagamento pode chegar a 20 anos, com carência de até 48 meses para o início do pagamento.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta