Dois dias antes de prisão de Baldy, Doria aceita pedido de afastamento de secretário por “motivos de interesse particular”

Secretário dos Transportes Metropolitanos é apontado pela PF como integrante de um suposto esquema de desvio de recursos na área da antes de estar na gestão Doria. Assessoria diz que afastamentos para outros compromissos são habituais. Baldy estava em Brasília. Dinheiro foi apreendido pela PF em endereço atribuído a secretário na capital federal

ADAMO BAZANI

Dois dias antes de ser preso pela Operação Dardanários, um desdobramento da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, se afastou do comando da pasta para “tratar de assuntos de interesse particular”.

Baldy foi preso nesta quinta-feira, 06 de agosto de 2020, em seu apartamento na capital paulista. O decreto do governador João Doria autorizando o afastamento foi publicado na terça-feira, 04, com validade até o dia 05, na quarta-feira.

O afastamento nestes casos é considerado habitual quando gestores públicos estão em outros compromissos, como viagem.  Nestes dias, Baldy estava em Brasília, segundo sua assessoria.

A PF diz que encontrou R$ 90 mil em espécie na manhã desta quinta-feira num endereço ligado a Baldy em Brasília. Foram encontrados R$ 110 mil numa outra casa em Goiânia

O juiz federal Marcelo Bretas, que analisa os processos da Lava Jato no Rio de Janeiro, expediu seis mandados de prisão e 13 de busca e apreensão com cumprimento em Petrópolis (RJ), São Paulo, São José do Rio Preto (SP), Goiânia e Brasília.

A PF investiga possíveis crimes de lavagem de dinheiro, peculato, organização criminosa e corrupção em contratos na área de Saúde em São Paulo e Rio de Janeiro, que teriam ocorrido desde 2017.

A Dardanários é continuação de outras operações que apuram as supostas fraudes como Fatura Exposta, Calicute e SOS.

A PF apura possível combinação entre empresários e agentes públicos, que tinham por finalidade contratações dirigidas.

Em nota, a STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos, diz que agentes da Polícia Federal estiveram também na sede da pasta em São Paulo e ressaltou que a operação não relação com a atuação dos transportes.

Na manhã de hoje (6), a Polícia Federal esteve na sede da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, em São Paulo, cumprindo mandado de busca e apreensão da Operação Dardanários, que foi expedido pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Importante ressaltar que tal operação não tem relação com a atual gestão do Governo de São Paulo. A STM colaborou junto à PF enquanto estiveram no prédio. Após as buscas, nenhum documento ou equipamento foi levado pela Polícia Federal.

Em nota, o governador João Doria diz que os supostos episódios não têm relação com a gestão em São Paulo e diz que acredita que Baldy vai esclarecer os fatos.

Os fatos que levaram as acusações contra Alexandre Baldy não têm relação com a atual gestão no Governo de São Paulo. Portanto, não há nenhuma implicação na sua atuação na Secretaria de Transportes Metropolitanos. Na condição de Governador de São Paulo, tenho convicção de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos e colaborar com a Justiça.

Em nota, a assessoria de Baldy classificou a prisão de “desnecessária e exagerada” e que serão tomadas providência para revertê-la

Alexandre Baldy tem sua vida pautada pelo trabalho, correção e retidão. Foi desnecessário e exagerado determinar uma prisão por supostos fatos de 2013, ocorridos em Goiás, dos quais Alexandre sequer participou.

Alexandre sempre esteve à disposição para esclarecer qualquer questão, jamais havendo sido questionado ou interrogado, com todos os seus bens declarados, inclusive os que são mencionados nesta situação. A medida é descabida e as providências para a sua revogação serão tomadas.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/08/06/secretario-dos-transportes-de-doria-alexandre-baldy-e-preso-pela-lava-jato-em-sao-paulo/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. E.Brunet disse:

    Por que será que um cidadão como este sai da política em Goiás, onde atuou na área de Indistria e Comércio, passa pelo governo federal na gestão Temer, na será das Cidades, e vai parar numa Secretaria De Transportes, em S.Paulo?
    Será que o pais, estados e municípios são tão desprovidos de competências, ou será que o cara é Bom no trânsito palaciano?
    Não sou bolsonarista de carteirinha, mas a bandeira que trêmula no alto do mastro não tem escrito ‘Desordem e Corrupção’.

  2. Que vergonha tamanha a nossa aqui em nosso estado…(ao que tudo indica, tem dedo do Marconi Perilo ex governador de Goiás em indicá-lo para ser secretario em nosso estado) PARABÉNS JUIZ BRETAS pela iniciativa,,,

  3. tiago disse:

    Afinal de contas: qual o escopo de atuação da operação Lava-jato?

    é uma pergunta sincera.

    não entendo mais nada

    se pá tem batom na cueca e o cara pode ser o culpado mesmo. Mas Lava-jato?

  4. Roberson disse:

    Cidadão de bem,pai de família, genro de um mega empresário de Goiás amigo do Serra e Temer
    Votou a favor do impeachment da Dilma contra corrupção e a bandeira enrolada no corpo.

  5. JOAO LUIS GARCIA disse:

    Cidadao de bem com mais de R$ 250 mil reais em dinheiro guardados em cofres e em vários imóveis diferentes.
    Engracado que o discurso dele na declaração do seu voto a favor do afastamento da Presidenta Dilma foi ” Agradeco a Deus por ter a oportunidade de ajudar meu povo a limpar esse Pais de mazelas, corrupção e mau feitos ”
    Com diversos indícios na sua declaração de IR e não so a sua, a da sua esposa também.
    Doria com certeza perdeu a oportunidade de dar um exemplo a sociedade ao exonera-lo da Secretaria, ai vemos que o PSDB não esta preocupado em limpar a politica.

  6. JOAO LUIS GARCIA disse:

    E que fique bem claro não sou Petista, nem simpatizante dos seus Politicos, sou a favor do Brasil ” Menos Brasilia e mais Brasil “

Deixe uma resposta