Vendas do Grupo TRATON (VWCO, MAN e Scania) caem 37% no primeiro semestre globalmente

Publicado em: 31 de julho de 2020

Ônibus Volkswagen. Mercado sul-americano preocupou também.

Negócios de ônibus na América do Sul e de caminhões na Europa puxaram para baixo os números. Grupo acredita em melhora no segundo semestre

ADAMO BAZANI

As vendas de veículos pesados do Grupo TRATON em todo o mundo registraram no primeiro semestre queda de 37% passando de 123,3 mil no período de 2019 para 77 mil de janeiro a junho de 2020.

O dado foi divulgado nesta sexta-feira, 31 de julho de 2020, pelo grupo que reúne as fabricantes de ônibus e caminhões Volkswagen, MAN e Scania, além da empresa de tecnologia RIO.

O motivo, de acordo com o balanço, é o impacto da pandemia de Covid-19, que foi detectada na China por médicos locais no ano passado.

Na América do Sul, que inclui o mercado brasileiro, puxou negativamente o resultado global, o desempenho do setor de ônibus teve queda de 31%. Já o setor de caminhões, na região, encolheu 22% no primeiro semestre.

Na Europa, as vendas de caminhões caíram 46% de janeiro a junho, outra baixa significativa.

Considerando todos os mercados onde atuam as empresas do Grupo TRATON, as vendas de ônibus caíram 29%, passando de 10,2 mil no primeiro semestre de 2019 para 7,2 mil no período de 2019. Já a comercialização de caminhões das marcas no mundo teve retração de 38%, indo na comparação dos primeiros semestres, de 70,5 mil unidades para 113,1 mil.

O Grupo TRATON destacou, entretanto, que o resultado de queda se mostrou acentuado não só por causa da pandemia, mas porque 2019 foi um ano aquecido. Com medo dos efeitos do Brexit (saída da Inglaterra do bloco comum europeu) e  com a a nova lei de adoção de tacógrafo digital, muitos frotistas anteciparam as compras permitidas de modelos ainda com a tecnologia mais antiga.

A receita de vendas do TRATON caiu 26% entre os primeiros semestres para € 10,1 bilhões de janeiro a junho (primeiro semestre de 2019: € ​​13,5 bilhões). O prejuízo operacional foi de € 220 milhões (primeiro semestre de 2019: lucro operacional de € 1.075 bilhão).

Em nota, CEO do Grupo TRATON,  Matthias Gründler, disse que por causa da pandemia, a queda já era esperada e que já há sinais de recuperação para o segundo semestre.

“Já esperávamos uma queda na demanda no mercado europeu, mas a pandemia do COVID-19 fez com que ela se mostrasse mais significativa e também afetou outras regiões. Agora que nossos negócios estão se estabilizando lentamente após a forte queda de abril, estamos assumindo uma recuperação gradual nas vendas no trimestre atual, desde que não haja aumento no número de novas infecções ”

POR MARCAS:

O Grupo TRATON resumiu o balanço do primeiro semestre de cada uma de suas marcas.

A Scania Vehicles & Services registrou uma queda de 41% nas vendas unitárias para 30.400 (H1 2019: 51.500) veículos. A receita de vendas diminuiu 26%, para € 5,3 bilhões (H1 2019: € ​​7,1 bilhões). O lucro operacional foi de € 221 milhões (primeiro semestre de 2019: € ​​828 milhões). O retorno operacional das vendas atingiu 4,2% (H1 2019: 11,6%).

A MAN Truck & Bus registrou vendas unitárias de 31.700 (H1 2019: 54.000) veículos, um declínio ano a ano de 41%. A receita de vendas diminuiu 26%, para € 4,1 bilhões (H1 2019: € ​​5,5 bilhões). O prejuízo operacional foi de € 387 milhões (primeiro semestre de 2019: lucro operacional de € 253 milhões). Isso corresponde a um retorno operacional sobre vendas de –9,5% (H1 2019: 4,6%). O lucro operacional foi impactado por uma cobrança não recorrente no dígito de dois dígitos, milhões de euros.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus registrou vendas unitárias de 15.900 (H1 2019: 20.400) veículos, uma queda de 22%. A receita de vendas diminuiu 29%, para € 612 milhões (H1 2019: € ​​860 milhões). O prejuízo operacional foi de € 10 milhões (H1 2019: lucro operacional de € 18 milhões). O retorno operacional das vendas caiu para -1,7% (H1 2019: 2,1%).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta