Rodízio de veículos será suspenso nesta terça-feira, 28, na capital paulista

Publicado em: 27 de julho de 2020

SPTrans reforçará a linha 4310 ET Itaquera – Term. Pq. D. Pedro II que faz a ligação no eixo da Linha 3-Vermelha do sistema metroviário. Foto: Diário do Transporte.

Medida será tomada por conta da greve dos metroviários

JESSICA MARQUES

O rodízio municipal de veículos será suspenso na capital paulista nesta terça-feira, 28 de julho de 2020. A medida é válida pelo dia todo e será tomada por conta da greve dos metroviários.

Entretanto, o rodízio de caminhões segue valendo. Por sua vez, a Zona Azul está liberada em toda a cidade.

As informações foram divulgadas pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, ao Diário do Transporte.

A greve dos metroviários foi definida em assembleia da categoria nesta segunda-feira, 27. Relembre:

Greve do Metrô ocorre nesta terça-feira, 28, e TRT determina 95% da frota operando no horário de pico

ÔNIBUS

Os corredores e faixas exclusivas de ônibus mantêm-se ativos, favorecendo o deslocamento do transporte público.

A SPTrans informou, por sua vez, que as linhas municipais atendem todas as ligações do Metrô. E que reforçará a linha 4310 ET Itaquera – Term. Pq. D. Pedro II que faz a ligação no eixo da Linha 3-Vermelha do sistema metroviário.

ZONA MÁXIMA DE RESTRIÇÃO

Ainda segundo a Prefeitura, a Zona Máxima de Restrição à Circulação (ZMRC) segue a regra estabelecida para o período de pandemia. Estão liberados da ZMRC os veículos que já possuem autorização especial do DSV para atividades necessárias ao efetivo abastecimento da cidade:

transporte de medicamentos, materiais imunológicos, vacinas e kit’s de sorologia; transporte de água potável, bebidas e alimentos, in natura, processados, industrializados, entre outras formas; transporte de produtos de higiene pessoal, doméstica e de necessidades básicas; transporte de combustíveis; transportes para distribuição de gás; transporte de bens e materiais necessários para o abastecimento de hospitais, clínicas, laboratórios e centros médicos; transporte de bens necessários para o abastecimento de hipermercados, supermercados, mercados, feiras livres, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, quitandas e centros de abastecimento de alimentos, lojas de conveniência, padarias, restaurantes e lanchonetes; os Veículos Urbanos de Carga – VUC.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta