Mesmo com decisões da Justiça, greve de ônibus continua em Juiz de Fora (MG)

Publicado em: 22 de julho de 2020

Ônibus da GIL. Paralisação começou com funcionários da empresa

Funcionários da Goretti Irmãos LTDA (GIL) reclamam de não pagamento da cesta básica e ticket alimentação referentes ao mês de maio. Funcionários de outras empresas aderiram

ADAMO BAZANI

Entrou no segundo dia na manhã desta quarta-feira, 22 de julho de 2020, a paralisação de funcionários do sistema de transportes público de Juiz de Fora (MG).

Os trabalhadores permanecem de braços cruzados mesmo com duas decisões judiciais determinando a volta, ao menos parcial, das atividades.

Nesta terça-feira, 21, o juiz da 1ª Vara do Trabalho de Juiz de Fora, Thiago Saço, determinou que o retorno fosse imediato e integral dos ônibus conforme as tabelas propostas.

Em seguida, a 3ª Turma da 1ª Vara do Trabalho de Juiz de Fora decidiu pelo retorno de ao menos 60% da frota de transporte coletivo do sistema. A multa estipulada foi de R$ 30 mil por dia ao sindicato dos trabalhadores em caso de descumprimento.

Inicialmente, a paralisação envolveu os funcionários da Goretti Irmãos LTDA (GIL) que protestam pelo atraso de pagamentos da cesta básica e ticket alimentação referentes ao mês de maio.

Ao longo da terça-feira, os trabalhadores de outras empresas decidiram aderir à paralisação.

O impasse do transporte na cidade ocorre desde abril e durante a pandemia, ao menos três greves foram promovidas pelo sindicato contra a GIL.

Nesta terça-feira (21), o prefeito Antonio Almas disse em vídeo nas redes sociais para o problema que não é de responsabilidade da prefeitura, ser resolvido o mais breve possível para não penalizar os passageiros.

Por sua vez, a Astransp, que representa as empresas do transporte coletivo, e o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes e Trânsito (Sinttro) trocaram acusações.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/07/21/transporte-coletivo-de-juiz-de-fora-mg-entra-em-nova-paralisacao/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Luciana disse:

    Como eles tbm dependo do meu salário e vantagens,apoio tds eles,eles tem família e contas como todos.
    Amanhã vou trabalhar d bassamar,por conta da minha patroa,tem q dá oq é d direito.
    Trabalharam pra isso.

Deixe uma resposta