Radial Transporte intensifica limpeza para nova fase contra o coronavírus no Alto Tietê

Publicado em: 17 de julho de 2020

Empresa opera linhas municipais e metropolitanas na região

No período de quarentena, equipes de higienização foram triplicadas, e hoje realizam mais de 300 higienizações por dia

ALEXANDRE PELEGI

A Radial Transporte, que atua nas cidades de Suzano, Ferraz de Vasconcelos e Poá, na Grande São Paulo, informa que já utilizou 240 litros de álcool em gel, 300 litros de álcool 70%, 400 litros de desinfetante, 500 litros de sabão neutro e mais de 900 litros de bactericida industrial para higienizar seus ônibus.

A empresa se considera pioneira no Brasil em ações contra a pandemia, antes mesmo das autoridades sanitárias decretarem ações neste sentido.

No período de quarentena, determinada pelo governo do Estado de São Paulo, as equipes de higienização foram triplicadas, e hoje realizam mais de 300 higienizações por dia.

Os ônibus são lavados por máquinas especiais e passam por uma limpeza completa interna todos os dias antes de saírem às operações. Cerca de 20 profissionais estão envolvidos neste processo”, informa a Radial em comunicado.

No balanço semestral de sua atuação no combate à disseminação do coronavírus, a Radial conta que organizou força tarefa para intensificar a limpeza do Terminal Norte de Suzano e Terminal Rodoviário Pedro Fava – Cidade Kemel.

Fez ainda distribuição de máscaras (330 unidades para idosos), alertas e informes sobre o coronavírus em suas redes sociais. Além disso, distribuiu 20 mil panfletos para usuários dos coletivos, e confeccionou banners que foram fixados em pontos estratégicos dos terminais rodoviários urbanos.

“Este é um momento singular, perfeito para analisarmos os resultados anteriores e estruturarmos novas estratégias”, afirma Antônio Caetano, encarregado operacional da Radial Transporte.

A região do Alto Tietê, atualmente na fase amarela do Plano São Paulo, permite maior flexibilização da quarentena e a reabertura parcial do comércio, shoppings center, concessionárias, atividades imobiliárias e escritórios.

Esse é um forte motivo para a empresa de transporte coletivo do Alto Tietê se concentrar nos próximos passos para atender a demanda sem prejudicar a saúde dos passageiros.

“Nós estamos na luta desde janeiro. Lançamos campanhas de conscientização nas redes sociais, distribuímos panfletos, entregamos máscaras descartáveis e também criamos um programa para oferecer renda adicional às costureiras da região. Continuaremos o trabalho para amparar a população neste período de crise”, conclui Antônio.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. João Luis Gaarcia disse:

    Empresa comprometida com a saúde dos seus usuários, realmente sabem operar

Deixe uma resposta